Futuro do monitoramento do diabetes será através de biossensores de glicose impressos em 3D

Um avanço da Universidade Estadual de Washington (WSU) permitirá o uso de sistemas de monitoramento de glicose portáteis graças ao biossensor eletroquímico de glicose impresso em 3D que é flexível. Para os milhões de pessoas que sofrem de diabetes, os dolorosos testes de glicose de ponta de dedo constantes são outro inconveniente. Existem dispositivos de monitorização contínua da glicose disponíveis, mas eles são bastante caros e exigem que um sensor seja incorporado na pele que é mantido no lugar por um adesivo.

Os biossensores que podem medir com precisão os níveis de glicose no suor à medida que são excretados pela pele já existem, de modo que a invasão e o desconforto de picadas no dedo e sensores embutidos estão se tornando menos necessários. Colocar esses biossensores em um formato flexível limitou-se principalmente à serigrafia, um processo bastante tóxico e faminto por material. 

Ao usar uma impressora 3D de escrita direta à tinta (DIW), a equipe de pesquisa da WSU produziu um material em nanoescala que é eletricamente condutivo e flexível. O método preciso utiliza significativamente menos material e resulta em biossensores que são mais sensíveis que os eletrodos tradicionais, em parte devido à melhoria da morfologia da superfície.

Arda Gozen e Yuehe Lin, professores da Escola de Engenharia Mecânica e de Materiais, lideraram o projeto. Gozen acredita que a tecnologia pode levar a soluções mais acessíveis e personalizadas para diabéticos, dizendo: “A impressão 3D pode permitir a fabricação de biossensores feitos especificamente para pacientes individuais. Isso pode reduzir potencialmente o custo”.

Lin está esperançoso de que a geração mais jovem possa evitar a picada de remédios desatualizados, comentando: “Nosso sensor de glicose impresso em 3D será usado como um sensor vestível para substituir a dolorosa picada do dedo. Como essa é uma técnica não invasiva e sem agulha para monitoramento da glicose, será mais fácil para o monitoramento da glicemia das crianças”.

Eles agora estão trabalhando para integrar o biossensor em um dispositivo de embalagem e wearable (vestível) para monitoramento de glicose à longo prazo. O design pode ser tão simples quanto uma alça em torno do pulso que se conecta sem fio a um smartphone para indicar e controlar os níveis de glicose. 

A impressão 3D oferece um alto grau de personalização e pode gerar remendos de tecido de biossensor em qualquer formato. Eventualmente, à medida que a tecnologia para integrar fontes de energia em materiais flexíveis for desenvolvida, os biossensores estarão dentro das roupas, medindo muito mais do que apenas glicose. 

Os rastreadores de atividades e os sistemas de monitoramento de saúde se reunirão em uma camiseta inteligente que pode ser usada durante o exercício físico, bem como em dias de folga para gerar diagnósticos em intervalos regulares, automaticamente enviados para o consultório médico. Esse é o futuro impresso em 3D.

 

https://www.3ders.org/


Similar Posts

Topo