Vida online é um passo para diabetes

Photo by Olu Eletu on Unsplash

Apesar das vantagens trazidas pelas novas tecnologias, a prática em excesso, principalmente pelas gerações de jovens adultos e adolescentes, provoca riscos sérios à saúde. E um deles é a diabetes associada ao sedentarismo. Um estudo publicado recentemente pela Associação Médica Canadense, que ouviu 150 mil pessoas de 17 países, revela que famílias detentoras de bens como televisão, computador (internet) e automóvel têm mais integrantes diabéticos do tipo 2, contraída pelos maus hábitos, e obesos – 14,5% e 11,7% respectivamente – em relação àquelas sem nenhum desses produtos em casa – apenas 3,4% para ambas doenças.

A Associação Carioca de Diabéticos (ACD), primeira dessa ordem fundada no Brasil, quer reforçar a tese dos canadenses entre os habitantes do Rio de Janeiro. Para isso, desde o Dia do Trabalhador, na terça-feira, o instituto trabalha na pesquisa com dez questionamentos sobre o uso de aparelhos móveis e sua relevância, caso utilizados excessivamente, no surgimento do diabetes.

“Esperamos que as pessoas respondam com sinceridade sobre o comportamento delas nas redes. Através desse retorno, vamos confirmar a hipótese de que o sedentarismo promovido pela vida online está ligado ao aumento de peso da população e, consequentemente, ao diabetes”, declarou o especialista em transtornos alimentares, presidente da ACD, Izidoro Flumignan.

A doença já é responsável por 14,5% da mortalidade mundial, de acordo com relatório divulgado, ano passado, pela Sociedade Brasileira de Diabetes. A explicação técnica para a ocorrência da diabete tipo 2 – correspondente à 90% dos casos – “é o excesso de açúcar no sangue ligado a suscetibilidade do indivíduo apresentar esse quadro, de acordo com sua herança genética”, afirmou a endocrinologista Yolanda Schrank.

Os especialistas na área recomendam quatro fatores que podem evitar a diabetes:

  1. horário de sono,
  2. educação alimentar,
  3. frequência das atividades físicas e
  4. distanciamento do estresse.

Esse último ponto costuma passar despercebido da maioria das pessoas, mas é colaborador de muitas doenças atualmente.

Schrank esclarece que o aborrecimento constante no cotidiano pode aumentar a taxa de açúcar no sangue. “Quando nos estressamos, ocorre a liberação do hormônio da adrenalina. A ação dele aciona um sinal de alerta no corpo, que responde aumentando os níveis de açúcar no sangue”, explicou a endocrinologista.

E adquirir diabetes ao longo da vida também é sinônimo de alto custo no tratamento. Entre doses de insulina, testes de glicose e comprimidos os pacientes gastam, em média, R$ 810, segundo levantamento do presidente da ACD. Ainda nessa pesquisa, Flumignan constatou que a grama de alguns remédios de última geração para o diabetes é oito vezes mais cara que a mesma quantidade de ouro.

Dez sintomas de que pode ser diabetes

  1. Aumento da sede: vontade excessiva de beber água e ainda assim, continua a sede
  2. Vontade de urinar com frequência exagerada: idas ao banheiro tornam-se constantes, causando desconforto
  3. Cansaço fora do comum: a falta de ânimo é recorrente e sem motivo aparente
  4. Aumento de apetite: fome descontrolada em horários irregulares
  5. Perda de peso repentina: perda gradual de peso ao longo dos meses
  6. Dificuldade de concentração: se acompanhada de sonolência, vale ficar alerta
  7. Câimbras: são provocadas pela hiperglicemia (excesso de glicose no sangue)
  8. Visão embaçada: pode ser visão borrada, turva e dificuldade de manter o foco
  9. Cicatrização lenta: quando a casca do machucado demora para se formar
  10. Infecções frequentes: principalmente as urinárias

 

https://odia.ig.com.br/


Similar Posts

Topo