Adultos com pré-diabetes que dormem pouco são mais propensos a desenvolver diabetes tipo 2

Os adultos com pré-diabetes e que dormem pouco são mais propensos a progredir para diabetes tipo 2 , de acordo com novas pesquisas.

Cientistas sul-coreanos descobriram que aqueles que dormiam por cinco horas ou menos a cada noite eram 70 por cento mais propensos a desenvolver a diabetes tipo 2 ao longo de dois anos, em comparação com adultos que dormiam por sete horas por noite.

Os pesquisadores acrescentaram que essa associação existiu independentemente de fatores socioeconômicos e mudanças de estilo de vida e enfatizou a importância de dormir um mínimo a cada noite.

“Nossos achados sugerem que o sono suficiente deve ser parte de um estilo de vida saudável, especialmente entre pessoas com pré-diabetes”, disse o autor principal Dr. Chan-Won Kim, Centro de Estudos de Amostragem no Total Healthcare Center, Kangbuk Samsung Hospital, Seul, que foi entrevistado pelo Endocrine Today.

“Para o pessoal de saúde, pode ser útil avaliar a duração do sono de seus pacientes com pré-diabetes quando avaliar o risco de progressão para o diabetes. Uma abordagem ao nível da população também é encorajada a reduzir a exposição das pessoas à privação do sono”.

O estudo de Kim focalizou se o sono insuficiente afetaria os níveis de HbA1c, afetando posteriormente o desenvolvimento do diabetes tipo 2. A equipe do estudo analisou dados de 17.983 adultos com pré-diabetes, que foram submetidos a avaliações de duração e qualidade do sono.

Os pesquisadores, ao longo de um período médio de 22 meses de acompanhamento, mediram os níveis de insulina e glicemia dos participantes, bem como outros marcadores de saúde. A duração média do sono noturno foi relatada como 6,2 horas, com 15,6 por cento relatando má qualidade do sono.

Um total de 664 casos de diabetes tipo 2 foram identificados, sendo que aqueles que dormiram cinco horas ou menos por noite, 68% foram mais propensos a desenvolver a doença em comparação com aqueles que dormiam por sete horas.

“Além disso, nossos resultados sugerem que os biomarcadores de adiposidade, fígado gordo e resistência à insulina mediquem parcialmente essa associação, ampliando a compreensão da disfunção metabólica subjacente”, acrescentou Kim.

Ao contrário da duração do sono, no entanto, a qualidade subjetiva do sono não foi associada a este aumento do risco de diabetes tipo 2.

 

http://www.diabetes.co.uk/


Similar Posts

Deixe uma resposta

Topo