A obesidade muito além de um excesso de peso

Cada pessoa possue um biotipo que deve ser respeitado na tentativa de perda de peso

É comum atualmente as pessoas relacionarem a composição corporal como fim estético, onde o excesso de peso, na maioria das vezes, é enquadrado apenas como um aumento da composição corporal, predominado numa quantidade superior de massa adiposa (gordura corporal), com isso a questão saúde acaba não entrando neste parâmetro, consequentemente os riscos em relação ao sobrepeso e a obesidade são muitas vezes esquecidos ou ignorados.

Este artigo tem como finalidade, esclarecer e abordar a obesidade no ponto de vista nutricional, para isso vale lembrar o significado clínico da palavra obesidade: Alteração do estado nutricional, desencadeada pelo excesso de ingestão de alimentos, em geral de alta densidade energética e pelo sedentarismo. Acompanhado por um aumento do número de células adiposas, que é maior quando a obesidade ocorre precocemente (infância), resultando em prejuízos à saúde, riscos que são aumentados progressivamente de acordo com o ganho de peso.

Os principais fatores metabólicos implicados na gênese da obesidade seriam o aumento da lipase lipoprotéica (LPL), que é a enzima chave para a estocagem de lipídios (gordura) no tecido adiposo, que se encontra em maior atividade em pessoas obesas, outro fator seria o hiperinsulinimismo, ou seja, aumento da secreção de insulina desencadeada pelo auto consumo de  alimentos, em especial os carboidratos (açucares), aumentando assim  a quebra de triglicerídeos  a glicerol e ácidos graxos livres que entram nas células adiposas e são estocados sob a forma de triglicerídeos (gordura).

A obesidade contribui para uma variedade de doenças que colocam em riso a saúde e compromete a qualidade de vida do indivíduo obeso, que também apresentam maior pretensão de desenvolver o diabetes mellitus, doenças cardiovasculares, hipertensão e a síndrome plurimetabólica, na qual se caracteriza por um conjunto de sintomas clínicos, como elevação da pressão arterial, aumento da concentração plasmática de triglicerídeos, diminuição dos níveis de HDL (colesterol bom), elevação da concentração plasmática de glicose em jejum; sintomas estes que aumentam ainda mais a probabilidade de doenças coronarianas.

As estratégias de tratamento e redução de peso não são efetivas a curto prazo, sendo um processo contínuo, e mais efetivas se associadas a uma reeducação alimentar, atividade física orientada e medicamentos no caso de patologias. Uma forma possível de reeducação alimentar oferece calorias em pequenas quantidades, levando em conta que esta restrição calórica deverá ser moderada e progressiva para não causar desconforto no paciente e também não acarretar em quadros de hipogligemia (queda de glicose na circulação. As quantidades de proteínas também devem ser suficientes para que a perda de peso ocorra de forma saudável, preservando a massa magra (músculos) e reduzindo a gordura corporal.

Vale ressaltar que quanto maior o tempo de seguimento de uma dieta desbalanceada maior será o risco de desenvolver problemas nutricionais, como carência de vitaminas e minerais, por isso a importância de um acompanhamento nutricional individualizado, já que cada pessoa possui um biotipo que deve ser respeitado na tentativa de perda de peso.

 

Sônia Caixêta, nutricionista especialista em Nutrição Clínica e Fitoterapia Clínica com ênfase em obesidade e nutrição para pacientes com problemas renais.

 

http://www.dm.com.br/


Similar Posts

Deixe uma resposta

Topo