Mary Tyler Moore – O universo Diabetes perde uma das maiores defensoras

Mary Tyler Moore foi diagnosticada com diabetes tipo 1 aos 33 anos.

Esta semana o mundo perdeu uma de suas estrelas de TV mais queridas: Mary Tyler Moore. A atriz encontrava-se em “estado grave” na quarta-feira, e faleceu no final do dia com a idade de 80 anos. Enquanto muitas pessoas só conhecem Moore por seus papéis cômicos icônicos nas séries The Dick Van Dyke Show e The Mary Tyler Moore Show, Moore também era conhecida por seu incansável trabalho como defensora do diabetes.

Moore foi diagnosticada com diabetes tipo 1 aos 33 anos de idade. Quando as pessoas têm diabetes tipo 1, significa que o seu pâncreas deixou de produzir insulina. A insulina é a chave – o hormônio que ajuda a trazer a glicose da corrente sanguínea para as células. As células, em seguida, quebram a glicose para criar energia. Quando seu corpo não produz insulina, a glicose permanece na corrente sanguínea e seus níveis de açúcar no sangue aumentam. E ao longo do tempo, se não tratada, o açúcar elevado no sangue crônico pode causar uma série de problemas em órgãos como o coração, olhos, rins, nervos, gengivas e dentes, de acordo com o Instituto Nacional de Saúde.

Diabetes tipo 1 é muitas vezes conhecido como “diabetes juvenil”, porque é mais comumente diagnosticado em crianças e adultos jovens. A NIH diz que é geralmente considerado como sendo uma desordem auto-imune, e certas variações genéticas têm sido associados a um aumento do risco da doença. É muito mais raro do que o diabetes tipo 2, que se desenvolve quando o corpo pára de usar a insulina de forma eficiente (tipicamente, isso acontece ao longo do tempo e é ligada aos hábitos de vida, como a inatividade e ganho de peso).

Ambos diabetes, o tipo 1 e tipo 2, podem ser controlados através da atividade física, dieta e uso adequado de insulina e medicamentos orais para reduzir os níveis de açúcar no sangue, de acordo com o CDC. Pessoas que vivem com diabetes tipo 1 especificamente têm de estar cientes de seus níveis de açúcar no sangue e constantemente gerenciar seus níveis através de injeções ou uma bomba de insulina. Infelizmente, ainda não há cura para o diabetes, e cerca de 1,25 milhões de pessoas nos EUA estão vivendo com diabetes tipo 1, de acordo com o CDC .

Quando Moore recebeu seu diagnóstico de diabetes tipo 1, ela ficou em estado de choque. “Eu não podia acreditar em primeiro lugar. Eu era, afinal, uma adulta muito saudável e ativa, e jamais iria esperar que algo assim fosse acontecer comigo”, disse Moore para a revista NIH MedlinePlus em 2006. “Isso pode ser porque, inicialmente, eu não era receptiva ao regime que meus médicos me disseram que eu tinha que seguir, mas eles trabalharam duro para me fazer entender que a diabetes é uma doença séria. Quando dei por mim, então eu fiquei vigilante sobre como gerenciar minha diabetes”.

Mary Tyler Moore fez muito sucesso interpretando ela mesma num programa que tinha seu nome

Moore tornou-se vigilante sobre educar as outras pessoas sobre diabetes, também. Ela tornou-se presidente internacional da Juvenile Diabetes Research Foundation (agora conhecido como JDRF), em 1984, e dedicou-se a aumentar a consciência sobre a doença. Ela apareceu em anúncios de serviço público para a JDRF, passou a fazer lobby e até testemunhar na frente do Congresso várias vezes para defender um maior número de pesquisas sobre a doença. Moore disse que a conscientização era uma das razões pelas quais decidiu publicar seu diagnóstico, que ela poderia ter mantido em segredo.

“Quando fui diagnosticada pela primeira vez, eu debati sobre como eu deveria agir à respeito do meu diabetes, e se dizer aos colegas poderia dificultar o meu trabalho como atriz”, disse Moore em 2006. “Mas eu também percebi que se eu falasse, poderia ser capaz de ajudar os outros a lidar melhor e gerenciar seus diabetes. Esta foi a minha opinião quando eu aceitei o convite para ser o Presidente Internacional da JDRF em 1984 e estar na vanguarda de seus esforços para encontrar uma cura para o diabetes e suas complicações através do apoio às pesquisas”.

Seu poder de estrela ajudou a elevar o perfil da JDRF, e seu trabalho ajudou a aumentar o compromisso da organização à pesquisa de US $ 25 milhões em 1984 para mais de US $ 1 bilhão até 2006, de acordo com o NIH. Em 2009, Moore levou seu trabalho de defesa ainda mais longe com um livro de memórias chamado, Crescendo Novamente: A vida, o amor, e Oh o Diabetes, que detalhou sua experiência com a doença desde o seu diagnóstico.

Moore era um verdadeiro farol de esperança e resiliência para milhões de americanos vivendo com diabetes tipo 1. Muitos admiravam a habilidade de Moore de falar sobre diabetes não como uma luta diária, mas apenas como parte de sua vida. Em 2005 numa entrevista à CNN, Larry King ficou chocado quando Moore disse que ela injeta-se quatro vezes por dia, todos os dias, com insulina. Mas Moore encarava isto como uma parte normal de sua vida agora. “É como se sentar à mesa de maquiagem, e você tem essa maquiagem que você vai colocar e uma bebida de café – faz parte da sua rotina”, disse ela.

Em sua memória, a JDRF criou um site, MooreForever.com, onde as pessoas podem compartilhar suas homenagens a Moore. Nossos pensamentos estão com a família de Moore e amigos durante este momento difícil.

 

http://www.self.com/


Similar Posts

Deixe uma resposta

Topo