Cientistas identificam possível causa da inflamação no diabetes

Uma alimentação gordurosa e açucarada, geralmente induz as cobaias ao diabetes
Uma alimentação gordurosa e açucarada, geralmente induz as cobaias ao diabetes

A inflamação é uma das principais razões pelas quais as pessoas com diabetes experimentam ataques cardíacos, derrames, problemas renais e outras complicações relacionadas. Agora, em uma descoberta surpreendente, pesquisadores da Universidade de Medicina de Washington, em St. Louis, EUA, identificaram uma possível causa da inflamação crônica.

Demasiada gordura na dieta promove a resistência à insulina, estimulando a inflamação crônica. Mas os pesquisadores descobriram, em ratos cobaias, que quando determinadas células do sistema imunológico não conseguem sintetizar a gordura, os ratinhos não desenvolvem diabetes ou inflamação, mesmo após o consumo de uma dieta rica em gordura.

O estudo está disponível desde 2 de novembro em uma publicação online da revista Nature.

“O número de pessoas com diabetes em todo o mundo quadruplicou nos últimos 20 anos”, disseram o pesquisador sênior Clay F. Semenkovich, Irene E. e Michael M. Karl Professor e diretor da Divisão de Pesquisas em Endocrinologia, Metabolismo na Escola de Medicina. “Fizemos progressos modestos tornando menos provável para algumas pessoas com diabetes ter ataques cardíacos e derrames. No entanto, aqueles que recebem a terapia padrão atual ainda são muito mais propensos a morrer de complicações provenientes por inflamação crônica que é, pelo menos em parte, gerada por essas células imunes”.

“Porém ao bloquear a produção de gordura no interior destas células, pode ser possível prevenir a inflamação em pessoas com diabetes e mesmo em outras condições, tais como artrite e câncer, aonde a inflamação crônica desempenha um papel. Isso poderia ter um profundo impacto sobre a saúde”.

A pesquisa de Semenkovich foi feita com ratos geneticamente modificados que não conseguir produzir a enzima do ácido graxo sintase (FAS) em células imunes chamadas macrófagos. Sem a enzima, era impossível para os ratinhos sintetizar os ácidos gordos, algo que faz parte do metabolismo celular.

“Ficamos surpresos ao descobrir que os ratos ficaram protegidos contra a diabetes induzida por dieta”, disse o primeiro autor Xiaochao Wei, um instrutor da faculdade de medicina. “Eles não desenvolveram a resistência à insulina e diabetes, que normalmente teriam sido induzidos por uma dieta rica em gordura”.

Através de uma série de experimentos em animais e em culturas de células, os pesquisadores, incluindo Douglas F. Covey, um professor de biologia do desenvolvimento e de bioquímica, e Daniel S. Ory, MD, professor de medicina e de biologia celular e fisiologia, descobriram que se macrófagos não puderem sintetizar gordura a partir de dentro, as membranas externas das referidas células não poderiam responder à gordura à partir do exterior das células. Isto impediu as células de contribuirem para a inflamação.

Células imunológicas (em verde) produzem ácidos gordos que causam a inflamação relacionada à diabetes
Células imunológicas (em verde) produzem ácidos gordos que contribuem para a inflamação relacionada à diabetes

Mas eliminar a inflamação por completo não é a resposta para a prevenção de complicações diabéticas, porque a inflamação é também vital para eliminar patógenos infecciosos presentes no corpo e ajuda a curar feridas. Ainda assim, Semenkovich disse que as novas descobertas podem ter implicações clínicas profundas.

“Um inibidor da síntese de ácido graxo, na verdade, está agora em estudos clínicos como um tratamento potencial para o câncer”, explicou. “E outras drogas têm sido desenvolvidas para inibir a síntese dos ácidos gordos na diabetes, também. Uma possibilidade que o nosso trabalho sugere é que alterar o teor de lípidos da membrana celular pode ajudar a bloquear a metástase no câncer e complicações da diabetes”.

As drogas atualmente utilizadas para bloquear a síntese de ácidos gordos, bem como outras estratégias de desenvolvimento, potencialmente poderiam permitir bloquear a ocorrência de inflamação crônica, sem eliminar completamente a capacidade dos macrófagos em combater a infecção.

Os pesquisadores também pretendem observar compostos de drogas existentes que mudam a composição lipídica em células. Tais medicamentos falharam em estudos clínicos, mas podem ter um efeito sobre as membranas de macrófagos e, por conseguinte, podem reduzir o risco de complicações do diabetes, disse Semenkovich.


Referências:

  • Wei X, Song H, Rizzo MG, Sidhu R, Covey DF, Ory DS, Semenkovich CF. Síntese dos ácidos gordos configura a membrana plasmática para a inflamação em pacientes com diabetes. Natureza. 2 de novembro de 2016.  http://dx.doi.org/10.1038/nature20117
  • Este trabalho contou com o apoio do Instituto Nacional de Diabetes e Doenças Digestivas e Renais; National Heart, Lung, and Blood Institute; e do Centro Nacional de Pesquisa de Recursos dos Institutos Nacionais de Saúde (NIH), que concedeu os números DK101392, DK076729, DK088083, DK20579, DK56341, RR00954 e HL067773. Fundos adicionais se originaram do Instituto da Família Taylor para Innovative Psychiatric Research.

 

 

http://www.healthcanal.com/


Similar Posts

Deixe uma resposta

Topo