Mulheres com quadris mais largos têm menor risco de desenvolver diabetes

Mulheres com um corpo em forma de "pera" têm menos probabilidades de desenvolver diabetes do que as mulheres com as ancas estreitas, de acordo com um novo estudo britânico
Mulheres com um corpo em forma de “pera” têm menos probabilidades de desenvolver diabetes do que as mulheres com as ancas estreitas, de acordo com um novo estudo britânico

Um estudo do King’s College London, mostra que mulheres com ancas mais largas têm predominantemente uma variante genética materna hereditária, no gene KLF14 , que faz com que as células que armazenam gordura funcionem de forma diferente, afetando a medida da anca da mulher .

“Ao nível do corpo todo, estas diferenças entre alelos [formas alternativas de um mesmo gene] não estão associadas a mudanças de peso e ao índice de massa corporal, mas afetam a circunferência do quadril da mulher,” explica Kerrin Small, que liderou o estudo.

“Olhando para a variante que estudamos, os genomas mostram que as mulheres com um alelo tendem a ter quadris maiores do que as mulheres com o outro, o que teria um efeito protetor contra a diabetes”, acrescenta.

A variante em causa influencia centenas de outros genes sobre a forma e o local onde a gordura é armazenada no corpo da mulher.

Os pesquisadores começaram por investigar a relação entre a variante KLF14 e o risco de diabetes tipo 2 numa ampla população e concluíram que o efeito era reduzido. Mas quando os cientistas decidiram focar-se numa população mais especifica – mulheres que herdaram o alelo das suas mães – o efeito aumentava.

Agora os pesquisadores tentam identificar porque é que esta variante aparenta afetar apenas mulheres.

As descobertas foram apresentadas no encontro anual na Sociedade Americana de Genética Humana em, Baltimore.

http://visao.sapo.pt/


Similar Posts

Topo