Monitoração em pares pode beneficiar adolescentes com diabetes tipo 1

O monitoramento em pares pode beneficiar o tratamento do diabetes tipo 1 em adolescentes
O monitoramento em pares pode beneficiar o tratamento do diabetes tipo 1 em adolescentes

Monitoramento em pares pode ser uma opção atraente para que adolescentes e jovens adultos com diabetes tipo 1 compartilhem experiências e aprendam as competências necessárias para a gestão da doença, de acordo com o levantamento de um novo estudo publicado em The Diabetes Educator.

“Uma vez que estudos anteriores concluíram que o monitoramento em pares havia reduzido o abuso de álcool e de drogas entre adolescentes e a melhoria da gestão do diabetes entre adultos, queríamos determinar se os adolescentes e jovens adultos com diabetes tipo 1 seriam receptivos à um programa de tutoria por pares”, disse o pesquisador Yang Lu, PhD , de Los Angeles, do Biomedical Research Institute, em um comunicado de imprensa.

“Estes resultados abrem a porta para determinar o melhor meio para ajudar os adolescentes e adultos jovens a melhorar a gestão de diabetes e da saúde à longo prazo”.

Entre os 54 adolescentes com idades de 13 a18 anos e os 46 jovens adultos com idades entre 19 e 25 anos, 78% e 89%, respectivamente, não haviam atingido as metas de HbA1c estabelecidas pela American Diabetes Association (ADA).

Cerca de um terço de todos os entrevistados relataram barreiras sociais para a gestão de diabetes.Em particular, os adolescentes relataram problemas como horários inflexíveis, alimentos desconhecidos e constrangimento em fazer o teste de glicose no sangue na frente de seus pares. Para os jovens adultos, acompanhamento do consumo de alimentos e lembrar-se de verificar os níveis de glicose no sangue eram problemas comuns.

Os pesquisadores também descobriram, no entanto, que os adolescentes queriam saber mais sobre como gerenciar sua doença, incluindo a gestão da diabetes tipo 1 por conta própria ou na faculdade. Os entrevistados estavam abertos para um de vários modos de comunicação, tais como reuniões pessoais, telefone, mensagens de texto e mídias sociais.

Dos entrevistados, 87% dos adultos jovens e 57% dos adolescentes manifestaram interesse em um programa de monitoramento de pares. Entre os adolescentes, o apoio dos amigos e viver em uma casa grande foram os principais preditores de interesse em um mentor de pares.

“Se eles não tiverem apoio de seus amigos e familiares, os adolescentes podem não ter um quadro de referência para a compreensão de como eles poderiam se beneficiar de um mentor. Mas eles podem se beneficiar tanto quanto os adolescentes que estão interessados ​​em ter um mentor”, disse o Dr. Lu.

“Podemos precisar de incentivos inovadores para fazer tutoria atraente para adolescentes que não estão acostumados a falar com os outros sobre os desafios da diabetes tipo 1, ou talvez seja necessário encontrar outros meios para melhorar a sua gestão da doença.”

Referência

  1. Lu Y et al. Diabetes Educ . 2015; 41 (1) 59-68.

 

http://www.endocrinologyadvisor.com/


Similar Posts

Topo