Diabetes e Álcool: podemos misturar os dois? – Parte 1

Um bom copo de Chianti … uma cerveja gelada em um dia quente de verão … comemorar com uma taça de champanhe. Há muitas maneiras em que o álcool é integrado à nossa vida cotidiana ou ocasiões especiais. Com certeza, nem todo mundo bebe álcool, mas muitas pessoas o fazem. E quando se trata da questão: “Posso beber álcool se tenho diabetes?” a resposta é tão clara como para a pergunta “Seria uma dieta de baixo carboidratos boa para diabetes? ” Em outras palavras, a resposta é “Depende!”

É importante mencionar logo de cara que certamente há muitas razões pelas quais as pessoas não devem beber álcool. Algumas podem estar relacionadas com a diabetes mas também podem estar relacionadas com outras razões. Portanto, é importante discutir este assunto com o seu prestador de cuidados de saúde se você tiver quaisquer dúvidas ou preocupações. E se você está recém-diagnosticado com diabetes ou está tomando um novo medicamento, vale a pena trazer à tona o assunto com o seu médico.

Se você estiver procurando qualquer organização de saúde que seja capaz de recomendar o uso do álcool, pode ficar surpreso em saber que a American Diabetes Association, a American Heart Association, e até mesmo a American Cancer Society concordam que beber álcool com moderação certamente não está fora de cogitação para a maioria das pessoas.

Mas voltando ao diabetes e álcool. Qual é a preocupação aqui? E por que algumas pessoas com diabetes não bebem álcool? Para responder a essas perguntas, é útil entender um pouco sobre como o álcool é processado no organismo.

O corpo trata o álcool como uma droga, não como um produto alimentar. Isso significa que, quando você bebe qualquer tipo de bebida alcoólica, seu fígado imediatamente entra em alerta, preparando-se para “desintoxicar” o corpo deste “veneno” (estou usando estas palavras para o efeito dramático). Essencialmente, o fígado tem de metabolizar ou quebrar o álcool em substâncias menos nocivas. Isso leva, em média, cerca de duas horas. Enquanto o fígado é verdadeiramente um órgão milagroso, ele só pode fazer uma tarefa de cada vez, e lidar com o álcool é a sua prioridade número um. Então, isso significa que, enquanto o seu fígado está ocupado com os efeitos que um martini de maçã verde podem provocar, ele não pode lidar como o fato de que os seus níveis de glicose no sangue estão começando a descer ladeira abaixo.

Na maioria dos casos, o fígado é capaz de liberar glicose quando os níveis de glicose no sangue começam a cair, em um esforço para evitar a queda acentuada desta glicose no sangue (hipoglicemia). Mas, com o álcool a bordo, isso pode não acontecer. Agora, isto não é grande coisa se você tem diabetes e controla a sua glicemia com um plano de alimentação saudável e atividade física apenas. A hipoglicemia não irá ocorrer se você não tomar remédio. No entanto, se você tomar certos tipos de comprimidos para diabetes chamados sulfonilureias, como a glipizida ou glimepirida, ou se você tomar insulina, suas chances de desenvolver um episódio de hipoglicemia sobem consideravelmente. Suas chances são ainda maiores se você tiver bebido com o estômago vazio (como tomar drinks antes do jantar), se você tomar uma cerveja ou vinho mais fresco depois de alguma atividade esportiva (o exercício já está reduzindo seus níveis de glicose no sangue), ou se os seus níveis de glicose no sangue já estavam baixos (muito medicamento e / ou sem comida suficiente).

O álcool é um pouco sorrateiro porque não é sempre previsível. Quando o tópico de álcool e hipoglicemia surgiu em uma das aulas que eu estava ensinando há alguns anos atrás, um cavalheiro astuto brincou: “Bem, por que eu não apenas bebo álcool em vez de tomar o meu Glucotrol?”

A pergunta era, na verdade, uma boa pergunta(embora nós nunca recomendamos o uso de álcool dessa forma). Mas o que ele não sabia era que o álcool não é sempre tão previsível. Algumas pessoas metabolizam o álcool mais lentamente do que outros. E o metabolismo do álcool pode depender de fatores como a quantidade de álcool consumido e mais o período de tempo; tamanho do corpo, tipo e quantidade de alimentos ingeridos junto com o álcool, e nível de atividade física. Portanto, não é incomum ouvir histórias de pessoas (muitas vezes estudantes universitários), que, depois beberem um pouco “além da conta” em uma noite de festa, desmaiavam no meio da noite ou mesmo na manhã seguinte.

Bem, acabou o tempo e o espaço. Vamos continuar a olhar em profundidade o álcool e diabetes no próximo artigo, na parte 2.
alcool-e-diabetes2

Respondendo a algumas perguntas.

Pergunta: Foi-me dito pelo primeiro médico que consultei que eu eu não deveria beber vinho, conhaque, rum e cerveja. Ele disse que as bebidas alcoólicas têm o pior tipo de açúcar para diabéticos. Disse também que os uísques ou bourbon têm uma composição diferente de açúcar que não é tão prejudicial para os níveis de glicose diabéticos. Sua análise suporta qualquer caso?

Resposta: Eu não estou ciente de qualquer pesquisa afirmando que bourbon tem uma composição diferente de açúcar. Em geral, no entanto, o conhaque, o rum e outras bebidas destiladas têm praticamente nenhum carboidrato (a exceção seria para um tipo de aguardente com sabor de cereja, por exemplo). Vinho e cerveja podem variar seus conteúdos de carboidratos; vinhos de sobremesa são mais doces e podem ter até 15 gramas de carboidratos por taça enquanto a cerveja pode conter três vezes mais carboidratos que o vinho. A menos que você esteja bebendo estas ou bebidas mistas, como pina coladas, a maioria das bebidas alcoólicas tendem a diminuir os níveis de glicose. Se você beber álcool, verifique os seus níveis de glicose para descobrir como isso afeta você.

 

Pergunta: E eu sempre pensei que o álcool quando consumido se transformaria em açúcar, portanto, aumentando a glicose no sangue. Recuso-me a beber álcool de qualquer forma. Como um diabético que tento controlar a minha glicose no sangue sem insulina, acho importante não consumir produtos que você sabe que irá afetar os níveis de glicose. Tenho amigos que acreditam que está tudo bem em consumir álcool. Um deles agora não tem pé e outro está lhe faltando dedos. Não é bom.

Resposta: Muitas pessoas com diabetes não bebem álcool. E é aconselhável para as pessoas que têm dificuldade em controlar seus níveis de glicose que procurem ficar longe do álcool. No entanto, há pessoas que gostam de ter um copo de vinho ou cerveja, uma vez que o álcool tende deixar níveis de glicose mais baixos, que é importante para aqueles que optam por beber para aprender como o álcool os afeta – isso significa verificar mais frequentemente com um aparelho medidor de glicose. Aprender a encaixar de forma segura o álcool em seu estilo de vida é possível e deve ser feito sob a orientação de um profissional de saúde.

 

Pergunta: SOCORRRROOO, issstto vvaalle paaaaara todddooos? UUUUmmmm de mmmeuus mmmmelllhoorrrrees ammmiiiggos ttteemmm ddiaabetttes e gggossstarrria de ssaabbeer sse eelee aaiiinda ppoddde ttttomaaar áaaaalcccooool.

Resposta: Olá. Lamento que este anúncio não lhe foi útil, mas o ponto é que, quando se trata de álcool e diabetes, cada pessoa precisa discutir o assunto com o seu médico. A maioria das pessoas com diabetes pode beber álcool, mas alguns medicamentos podem interagir com ele, e se uma pessoa tem outros problemas médicos, beber pode não ser uma boa ideia. Então, será preciso conversar com seu médico sobre isso.

 

Pergunta: Eu bebo vodka, praticamente todas as noites. Também estou tomando Metformina e um outro medicamento para baixar os meus níveis de colesterol. Estou preocupado com o desenvolvimento de acidose láctica, e outros problemas por causa das drogas que eu estou tomando. Existem outros medicamentos com menos propensão para causar acidose láctica? Embora eu tenha afrouxado meu regime de exercícios por cerca de 1 mês, eu voltei a me exercitar por 45 minutos cerca de 4 vezes por semana. Eu estou esperando deixar de fazer uso dos medicamentos diabéticos completamente. Meus últimos resultados de sangue indicam que meu colesterol abaixou, assim como meus níveis de açúcar. Estou começando a me preocupar com a metformina no entanto, depois de ler de forma mais ampla sobre seus efeitos colaterais.

Resposta: A metformina é uma classe de drogas mais propensa a causar acidose láctica que outros medicamentos para a diabetes. No entanto, isso não significa necessariamente que você deve mudar para outra classe de medicamentos, uma vez que o álcool pode causar interações diferentes, dependendo da droga. Por exemplo, o álcool pode aumentar o risco de hipoglicemia, se tomado com sulfonilureias ou insulina. Eu sugiro que você tenha uma conversa com o seu médico ou farmacêutico, deixando-o saber o quanto você bebe vodka, sobre os prós e contras de continuar tomando a metformina, e discutir, caso se justifique, outras opções de medicamentos.

 

http://www.diabetesselfmanagement.com/


Similar Posts

Comments are closed.

Topo