Vamos ser honestos

Existem muitas regras para manter o diabetes “bem administrado”. Quando eu fui diagnosticada há muitos anos atrás, fui informada sobre porções de alimentos, controles de glicose, requisitos para o exercícios, limitações de carboidratos, etc. Havia muitas restrições, e ainda assim os médicos me disseram que eu poderia viver uma vida “normal”. Seria uma vida normal como qualquer outra pessoa no mundo, enquanto eu seguisse a lista que me acompanharia. Eu balancei minha cabeça e sorri me perguntando: “O que isso quer dizer?”

Nos últimos 15 anos, a diabetes fez parte da minha vida como um companheiro chato, e eu fiz compromissos com estas regras listadas. Aqui segue a minha lista honesta das coisas que eu não estou “supostamente” seguindo, mas que deveria estar fazendo de qualquer jeito. Eu conheço as razões básicas para cada regra, irei admitir minhas muitas desculpas para não segui-las, e compartilharei com vocês o que realmente faço.

1. Eu entendo que não devemos misturar as embalagens de tiras de medidores de glicose devido às datas de vencimento, porque ao se misturar as tiras podemos acabar usando alguma delas que esteja fora da data de validade. Mas, é desagradável transportar um recipiente com somente uma ou duas tiras para se usar pelo resto do dia, além de um outro recipiente que contém 25 ou 50 novas tiras. Confesso que tenho tiras de glicose misturadas em frascos quase vazios. Mas me comprometo a esvaziar um recipiente completamente pelo menos uma vez por mês.

2. Eu entendo que não devemos usar a mesma agulha por mais de uma aplicação devido ao risco de infecção e de perda de efeito da punção. Enquanto injeto mais de 20 vezes por dia, é francamente chato ter que mudar a toda hora as agulhas nas minhas canetas de insulinaConfesso novamente que eu usei a mesma agulha mais de uma centena de vezes. Durante as minhas fases depressivas, eu usava a mesma agulha até ter que pressioná-la com força sobre minha pele, resultando em um hematoma multi-colorido. Eu me comprometo a mudar a agulha da caneta pelo menos uma vez por insulina.

3. Não me lembro a última vez que eu mudei de lanceta. Isto é tudo.

4. Eu entendo que devemos comer uma dieta equilibrada. Nossos corpos estão cansados ​​e uma dieta saudável que contenha todos os principais grupos de alimentos ajudará a melhorar a nossa saúde. Mas, há outros tantos grupos de alimentos! (Eu estou apenas parcialmente brincando com essa afirmação.) Eu admito que passei um dia aqui e ali tomando meu café sem cafeína, comendo legumes e frutas ideais. Estou em movimento quase que constantemente, por isso sempre corto as frutas e legumes e as mantenho na prateleira da geladeira que está mais próxima, a nível dos meus olhos. A minha família come quase todos os grupos de alimentos, mas ainda estou numa fase onde preciso ajudar meus filhos a comer as suas refeições. Uma vez por semana, eu me obrigo a sentar e comer um jantar completo, com todos os bons ingredientes.

5. Sei que devemos utilizar um algodão embebido em álcool para limpar o dedo antes do teste de glicose, assim como para a limpeza do local da injeção, que além de esterilizar, ajuda a evitar a infecção. Eu só lavo as minhas mãos. Às vezes, eu até injeto através de um fino par de calças na minha coxa, que é o meu local favorito. Bom, pelo menos eu lavo minhas mãos antes da primeira aplicação.

6. Nós temos que manter os pés quentes. Eu sei que vou me arrepender de minhas ações no futuro, mas eu odeio usar meias. Eu odeio não poder andar no piso de madeira de casa, sem escorregar ou então fazer com que meus sapatos fiquem mais apertados. Será que o uso das meias me deixa claustrofóbica? Para esquentar meus pés, costumo usar cobertores no final da minha cama, assim como os pés mais quentes do meu marido para descongelá-los. (O pobre rapaz.)

7. Devemos manter refrigerados os frascos de insulina, ou em um ambiente de temperatura estável, senão ela pode perder um pouco de sua eficácia. No meu caso, eu mantenho a minha insulina, glicosímetro, na minha bolsa. Eu uso bastante minha caneta com insulina de ação rápida todos os dias. Não importa onde eu armazene a insulina, duvido que ela vai ter tempo suficiente para perder potência, no ritmo que eu a utilizo.

8. A alternância dos locais de aplicação da injeção também está nessa lista. Ela reduz o tecido cicatricial, mantém as taxas de absorção e, potencialmente, evita mais contusões. Eu realmente alterno o local de injeção, mas não tanto quanto deveria. Gosto de injetar em minhas coxas. Eu alterno entre as pernas ou mudo o lugar ao redor de minhas coxas para ajudar a manter os locais frescos. Quando minhas leituras de glicose deixam de refletir os números esperados depois das aplicações após as refeições, eu alterno os locais de injeção para as costas, braços e nádegas superior. Mas, eu só faço a rotação proposta quando vejo um problema com minhas leituras.

9. É recomendado que todos tenham, ao menos, oito horas de sono por dia. Este sono deve também incluir um abundância de sono REM, o que significa que devemos dormir trechos mais longos sem interrupções durante duas a quatro horas pelo menos. Confesso que tenho dois filhos pequenos. Espere, eu queria dizer que eu admito que não durmo o suficiente. Meu filho mais novo está fazendo um ano de idade em novembro, então eu sei que terei ampla oportunidade de descansar um pouco mais decentemente em breve. Nesse meio tempo, vou comer saudavelmente, fazer exercícios diariamente, e tomar suplementos de ferro para manter o meu sangue fresco e comovente. Eu sei que essas concessões não são suficientes no longo prazo, mas é o melhor que eu posso fazer por agora.

10. Eu entendo que seja recomendado injetar insulina de ação rápida de 30 minutos a uma hora antes de uma refeição. Isso dá tempo para a insulina começar a trabalhar antes de consumir os carboidratos que o nosso corpo deve quebrar. Eu confesso que eu injeto durante e, às vezes, depois que minha refeição está terminada. Não posso garantir a quantidade de comida que irei comer em cada refeição. Às vezes, estou distraída, exausta, ou não gosto da comida servida. (Eu nunca vou admitir isto de novo: Eu sou uma chef divina) Graças à Apidra, meus níveis pós-prandiais não sofrem muito com esta acomodação, devido à rapidez com que esta insulina reage.

11. Sei que devemos manter um registro de glicose de todas as nossas leituras, para que possamos entender melhor a causa e o efeito das atividades que fazemos todos os dias. É tão tedioso! Eu nunca escrevo minhas leituras, mas mantenho uma contagem mental do que estou fazendo. Eu sei que este não é um compromisso válido. O melhor que posso fazer é escrever um histórico com base nas leituras armazenadas em meu glicosímetro antes de ver meu endocrinologista. Eu sou provavelmente uma paciente horrível de trabalhar, porque eu faço meus próprios ajustes e fico muito envolvida com meus planos de gestão de diabetes. As únicas vezes que mantive um registro decente, com anotações, foi quando fiquei grávida, recém-diagnosticada, ou em alguma séria luta e precisando da assessoria de um médico para me ajudar a resolver um problema.

Esta é uma confissão extra-crédito: Por cerca de 10 anos de minha vida com diabetes, meu nível de hemoglobina glicada A1c pairou entre 7,0% e 9,0%. Eu não usei todas as ferramentas que precisava, eu estava negligenciando a minha saúde, em negação e, sinceramente, sem o discernimento para entender completamente a forma de gerir a minha doença. Meu teste mais recente mostrou um 7,8%. Não é nenhum lugar perto de onde eu estava há apenas um ano, e que precisava de uma séria melhoria. Muito embora esse valor seja um reflexo direto de como eu tenho controlado minha saúde, e de todos os esforços que fiz para superar os obstáculos que surgiram em meu caminho no ano passado, eu estou muito feliz que ele não esteja mais elevado. Eu sei que vou obter um melhor controle muito em breve, tão logo meus filhos cresçam mais um pouco e não dependam tanto de mim quanto agora. (Parece até uma confissão feita com o papa)

Embora esta lista seja honesta, ela é também muito despreocupada. Estou confessando que eu não sigo todas as regras que são recomendadas durante e após o diagnóstico de nossas doenças. Estou esperando para abrir o debate. Eu gostaria de escutar de todos vocês algumas opiniões sobre preferências e o que você faz para tornar as rígidas regras da diabetes mais complacente para sua vida pessoal.

Falar sobre diabetes é, principalmente, falar sobre controle de todos os aspectos de sua vida: alimentação, estresse, emoções, exercícios. Às vezes, a pressão para se tornar tecnicamente perfeito pode deixar louco o diabético. Nós não precisamos ser completamente perfeitos para sermos bem sucedidos.


Katherine Marple foi diagnosticada com diabetes tipo 1 aos 14 anos, em 1998. Ela é mãe de duas crianças pequenas, lutou contra a resistência à insulina, pré-eclampsia, e falhas da bomba e CGM, levando-a para uma terapia com insulina via MDI (Múltiplas Injeções Diárias), atualmente usando Levemir e Apidra, e às vezes a metformina. Ela é a autora de dois romances relacionadas ao diabetes: “Péssima (esta é o minha desculpa)” e “Mortalmente doce”.

 

http://diabeteshealth.com/


Similar Posts

Topo