Um guia para quem irá cuidar de um diabético

 

Como o número de casos de diabetes tipo 2 continua a subir, mais pessoas estão agora cuidando de um amigo ou membro da família com a doença. O papel do cuidador depende das necessidades do paciente, mas o seu apoio e ajuda podem ser valiosos para manter a condição sob controle e evitar complicações.

“Os pacientes que contam com o apoio e compreensão da família e dos amigos são muito melhores na gestão de sua diabetes”, disse Betul Hatipoglu, MD, um endocrinologista da Clínica Cleveland. “Eles podem lembrá-los de verificar o seu açúcar no sangue e tomar suas pílulas. Eles também podem seguir o que o paciente precisa fazer em termos de dieta e exercício, o que pode ser um grande motivador”.

Educação é a chave quando se ajuda a cuidar de alguém com diabetes. Saber entre quais faixas de açúcar no sangue uma pessoa deve ter, quais os alimentos a evitar, e quando os medicamentos devem ser tomados são pontos fundamentais para detectar problemas antes que eles se tornem sérios.

“Conhecer a rotina e os medicamentos de uma pessoa pode ajudar um ente querido a determinar quando algo não está certo”, disse Yael Reich, um especialista clínico em diabetes no Servcie Visiting Nurse de Nova York. “A pessoa com diabetes pode não notar alguns efeitos colaterais ou se o açúcar no sangue está baixo, por exemplo”.

Reconhecer os sinais de baixa de açúcar no sangue, ou hipoglicemia, é muito importante, particularmente em idosos. Os sintomas incluem sensação de calor, tontura, batimento cardíaco acelerado, fome, fadiga e ansiedade.

“Se não for tratado de imediato, a pessoa podem ficar confusa e até mesmo cair de tontura ou perder a consciência”, disse Margery Kirsch, um especialista clínico de enfermaria de diabetes em uma visita ao serviço de enfermagem de Nova York.

De acordo com Kirsch, algo tão simples como alguns doces ou metade de um copo de suco de laranja podem ajudar a levar o açúcar no sangue até a um nível seguro. Diabéticos propensos a baixa de açúcar no sangue também podem manter comprimidos de glicose à mão.

Elderly woman speaking to a nurseO cuidador pode ser fundamental para garantir que o paciente coma corretamente. A maioria dos diabéticos precisa prestar atenção à sua ingestão de carboidratos, que alteram os níveis de glicose no sangue. A American Diabetes Association recomenda a ingestão de 45-60 gramas de carboidratos por refeição, embora o valor exato possa variar de acordo com o plano de gerenciamento de diabetes do indivíduo. Fazer um planejamento para uma refeição saudável beneficia os pacientes, bem como os cuidadores.

“Algo parecido com uma alimentação saudável não deve ser apenas para o paciente diabético, mas para toda a sua família”, disse Joel Zonszein, MD, diretor do Centro de Diabetes Clínica Montefiore Medical Center. “A dieta especial é uma dieta saudável para todos, e ter o apoio para grandes mudanças de estilo de vida é importante.”

“A pessoa de apoio pode ajudar o diabético a comer de forma mais saudável se ele preparar refeições saudáveis ou ir às compras de alimentos saudáveis”, disse Reich. “Eles também podem sair com os diabéticos para ajudá-los a tornarem-se mais ativos. Simplesmente fazê-los viver a vida, por exemplo, pode ser o melhor tipo de apoio”.

Especialistas apontam, no entanto, que deve-se ter precaução com o excesso de apoio.

“Você não deve se tornar a polícia diabetes“, disse Kirsch. “As pessoas chegam com o intuito de levar cuidados, e eles querem que o paciente faça o que o médico diz perfeitamente. Mas, se houver exageros ou o diabético sentir-se incomodado por outro motivo qualquer, ele irá apresentar certa resistência e ficar menos disposto a realmente fazer o que ele precisaria fazer para cuidar de si mesmo”.

A Clínica Mayo oferece as seguintes dicas para quem for cuidar de um diabético:

  • Aprenda o máximo que puder sobre a diabetes, e o que o paciente diabético precisa fazer para manter sua glicemia sob controle e evitar complicações.
  • Faça exercícios juntos. Ambos podem se beneficiar da atividade física, e ainda reduz o nível de açúcar no sangue.
  • Seja consciente da diabetes de quem você cuida, mesmo que os outros não sejam. Em uma reunião de família ou outro evento, certifique-se que haverá opções de alimentos saudáveis disponíveis.
  • Saiba quando você não pode ajudar. Se você notar sinais de depressão ou angústia em alguém com diabetes, procure incentivá-lo a falar com o seu médico ou um educador de diabetes certificado para ajudá-lo a lidar e permanecer ativo com o gerenciamento da doença.

 

http://www.everydayhealth.com/


Similar Posts

Topo