Suplementos de vitamina D melhora a pressão arterial e humor em mulheres com diabetes e depressão

vitamina-d

Em mulheres que têm diabetes tipo 2 e mostram sinais de depressão, o suplemento de vitamina D reduziu significativamente a pressão arterial e melhorou seu humor, de acordo com um estudo piloto realizado na Escola de Enfermagem da Loyola University em Chicago.

A vitamina D ainda ajudou as mulheres a perderem alguns quilos.

O estudo foi apresentado na 73º sessão da American Diabetes Association Scientific em Chicago.

“A suplementação de vitamina D é potencialmente uma terapia fácil e de baixo custo, com efeitos colaterais mínimos”, disse Sue M. Penckofer, PhD, RN, principal autor do estudo e professora na Escola de Enfermagem de Niehoff. “Maiores estudos randomizados e controlados são necessários para determinar o impacto da suplementação de vitamina D sobre a depressão e os principais fatores de risco cardiovascular entre mulheres com diabetes tipo 2”.

Penckofer recebeu recentemente por quatro anos, 1,49 milhões de dolares de concessão do Instituto Nacional de Pesquisa em Enfermagem no National Institutes of Health para fazer tal estudo. Penckofer, Loyola e seus co-pesquisadores pretendem inscrever na pesquisa 180 mulheres que têm diabetes tipo 2, com os sintomas de depressão e níveis insuficientes de vitamina D. As mulheres serão distribuídas aleatoriamente para receber semanalmente um suplemento de vitamina D (50.000 Unidades Internacionais) ou uma correspondente quantidade semanal de placebo durante seis meses. O estudo é intitulado “Poderia a vitamina fazer o sol voltar a brilhar e melhorar o humor e auto-gestão em mulheres com diabetes?”

Cerca de 1 em cada 10 pessoas nos Estados Unidos têm diabetes, e a incidência está projetada para aumentar de 1 em cada 4 pessoas em 2050. Mulheres com tipo 2 de diabetes têm piores resultados do que os homens. O motivo pode ser devido à depressão, que afeta mais de 25 por cento dessas. Depressão prejudica a habilidade do paciente para gerenciar sua doença por comer direito, fazer exercícios, tomar medicamentos, etc

Muitos americanos não recebem vitamina D suficiente, e as pessoas com diabetes têm um risco especialmente elevado para insuficiência ou deficiência desta vitamina. As razões incluem a ingestão limitada de alimentos ricos em vitamina D, a obesidade, a falta de exposição ao sol e variações genéticas.

O estudo-piloto incluiu 46 mulheres que estavam com idade média de 55 anos, tinha diabetes em média há 8 anos e os níveis sanguíneos insuficientes de vitamina D (18 ng / ml). Elas tomaram uma dose semanal (50.000 Unidades Internacionais) de vitamina D. (Em comparação, a ingestão diária recomendada para as mulheres 51 a 70 anos é de 600 UI por dia.)

Após seis meses, os níveis sanguíneos de vitamina D atingiu níveis suficientes (média de 38 ng / ml) e os seus humores melhoraram significativamente. Por exemplo, em um questionário de 20 perguntas para um levantamento dos sintomas de depressão, houve uma diminuição da pontuação de 26,8 do começo do estudo (indicando depressão moderada) para 12,2 em seis meses (indicando que não há depressão. (a escala da depressão varia de 0 a 60, com os números mais elevados indicando mais sintomas de depressão.)

A pressão arterial também melhorou, com o número superior diminuindo de 140,4 milímetros de Hg para 132,5 milímetros Hg. E o seu peso também caiu de uma média 1,5%.

Penckofer é conhecida internacionalmente por sua pesquisa sobre a vitamina D, diabetes e depressão. Em outubro, ela será empossada como membro da Academia Americana de Enfermagem, por suas contribuições científicas para a melhoria da saúde e qualidade de vida de mulheres com doenças crônicas. E ela recentemente foi apontada como o primeira enfermeira pesquisadora do Centro de Diabetes Chicago para Pesquisa Translacional.

FONTE Loyola University Chicago

 

http://www.news-medical.net/


Similar Posts

Topo