Diabetes – uma doença mortal às vezes esquecida pelos médicos

Addie Parker era uma feliz criança, mas em questão de horas ela estava em coma.

Addie Parker era uma feliz criança de 4 anos de idade, que parecia ter gripe apenas. Mas em questão de horas ela estava em coma.

Tragicamente, seus pais não estavam familiarizados com os sinais de diabetes tipo 1 – extremo cansaço, sede e respiração frutada, entre outros – em tempo para salvar sua filhinha. Logo depois dela ser diagnosticada, o cérebro de Addie teve uma hemorragia. Ela morreu seis dias depois, cerca de um mês antes do seu quinto aniversário.

Especialistas dizem que a falta de conhecimento dos sinais de diabetes tipo 1 é muito comum. Só neste mês, uma criança em Wisconsin morreu aparentemente por causa de diabetes tipo 1 não diagnosticada.

“Addie teve sintomas de gripe“, lembrou a mãe, Micki Parker, que trabalha na sala de cirurgia em um hospital nas proximidades, mas não estava familiarizada com os sintomas da diabetes tipo 1.

“Na manhã seguinte, ela estava vomitando a cada hora”, disse Parker. Addie não tinha febre, porém mais tarde naquele dia, ela não conseguia se levantar do chão do banheiro porque estava muito tonta.

Eventualmente, os Parkers souberam mais tarde que o nível de açúcar no sangue de Addie chegou a 543 miligramas por decilitro (mg / dL) – mais de quatro vezes superior ao normal, segundo a Associação Americana de Diabetes.

A maioria das pessoas já ouviu falar de diabetes tipo 2, mas a diabetes tipo 1 é muito menos comum. Ela pode atacar em qualquer idade – mesmo sendo conhecida como diabetes juvenil – e sempre requer tratamento com injeção de insulina ou que a insulina seja administrada através de uma bomba. Pessoas com diabetes tipo 1 não produzem insulina, um hormônio necessário para converter o alimento que você come em combustível para o corpo. Sem insulina, a glicose (açúcar no sangue) se eleva a níveis insalubres.

Não tratada, a diabetes tipo 1 causa complicações graves e até a morte. Mas muitas vezes é confundida com outras doenças – até mesmo pelos médicos.

“Há uma desconhecimento generalizado sobre o diabetes tipo 1 pelo público e no sistema de saúde”, disse o Dr. Richard Insel, diretor científico da JDRF (antigo Juvenil Diabetes Research Foundation). “A falta do diagnóstico ocorre mesmo em salas de emergência, pois as pessoas nem sempre pensam nesta possibilidade”.

Todos os dias, cerca de 80 americanos são diagnosticados com diabetes tipo 1, sendo que o número total subiu 23 por cento entre 2000 e 2009 nas crianças menores de 20 anos. Atualmente, cerca de 3 milhões de americanos – a maioria deles adultos – estão vivendo com diabetes tipo 1, de acordo com o JDRF.

Uma delas é  Amanda Di Lella, atualmente com 20 anos, mas que tinha 13 quando descobriu que algo estava seriamente errado com ela.

“Eu estava perdendo peso, mas estava sempre com fome. Também estava sempre cansada. Meus sintomas não eram extremos no início, mas rapidamente ficou pior”, disse ela. “Eu fui de estar cansada para não ser capaz de sair da cama, de sentir um pouco de sede para beber 10 garrafas de água no meio da noite. Depois que perdi 7 quilos, e de estar pesando apenas 38 quilos é que pedi a minha mãe para me levar ao médico.

Sua pediatra disse à mãe que Di Lella provavelmente teve um distúrbio alimentar e então receitou shakes de proteína .

Dentro de alguns dias Di Lella não estava acordando. Sua mãe a levou para o hospital, mais ou menos na mesma época, o médico após tomar-lhe algum sangue, volta mostrando que ela tinha diabetes tipo 1.

Seu nível de açúcar no sangue era mais de 400, e ela estava em cetoacidose diabética, ou CAD. Quando o corpo não recebe a glicose que necessita para o combustível (e quando não há insulina, a glicose não entra nas células do corpo), que queima gorduras para produzir energia. Isto produz uma substância ácida chamada cetona, que pode acumular-se no sangue, provocando a CAD.

“Uma vez que você está com CAD, você está pronto para algumas complicações maiores, e cerca de 30 por cento das pessoas diagnosticadas com diabetes tipo 1 ainda se ressentem da cetoacidose diabética”, disse Insel.

Depois de uma semana na unidade de cuidados intensivos, Di Lella recuperou-se. O médico pediu desculpas pelo erro e disse que nunca tinha tido um caso de diabetes tipo 1, por isso não era algo que ele normalmente buscava.

Insel disse que é importante comparar as alterações do comportamento de uma criança para as outras crianças da família. Está o consumo de água da criança excessivo em comparação com um irmão? A criança que teria dominado o controle da bexiga à noite de repente volta a molhar a cama de novo?

A boa notícia é que é fácil testar se a criança tem o diabetes tipo 1. Um teste de urina pode detectar se há açúcar no sangue. Se esse teste for positivo, então um teste simples com apenas uma gota de sangue da ponta do dedo pode confirmar se ela tem diabetes.

Di Lella, agora um estudante da Universidade da Flórida, disse que iria aconselhar os outros a “não ignorar os sintomas que parecem tão básicos. Mesmo pequenos sintomas podem ser um sinal de algo muito maior”.

Parker disse que quer que os outros pais saibam que uma criança com diabetes tipo 1 “não necessariamente parece doente. Confie em seu instinto e encaminhe o seu filho para realizar um teste”.

Os sinais e sintomas do diabetes tipo 1, que todos devem saber incluem:

  • Aumento da sede
  • Micção freqüente
  • Molhar a cama quando a criança já teve um bom controle da bexiga à noite
  • Perda de peso não intencional
  • Fadiga extrema
  • As mudanças súbitas de visão
  • Irritabilidade incomum
  • Aumento do apetite
  • Um odor frutado na respiração
  • Respiração pesada ou dificultosa

 

http://children.webmd.com/

 

PS do Editor TiaBeth: Quem quiser assinar petição para que haja a realização obrigatória de exames de glicemia nos hospitais e pronto-socorros aqui no Brasil pode faze-lo através do link abaixo.

https://secure.avaaz.org/po/petition/Pela_obrigatoriedade_do_Teste_de_Glicemia_Capilar_em_Hospitais_e_ProntosSocorros/?fKRPDeb&pv=3

 


Similar Posts

Topo