Estaria a cura do diabetes tipo 1 logo ali na esquina?

Por falta de uma expressão melhor, aqueles que têm diabetes tipo 1 – uma forma de diabetes a qual ocorrem ataques do próprio sistema auto-imune da pessoa às células do pâncreas responsáveis ​​pela produção de insulina – muitas vezes seguram a extremidade curta da vara.

Apesar de ser a doença crônica mais comum em crianças, a diabetes tipo 1 é responsável por apenas 5% de todos os diagnósticos de diabetes. Os restantes 95% são de diabéticos tipo 2, que vêem seu desequilíbrio glicêmico trazido por causa de uma série de fatores, incluindo composição genética e uma série de hábitos comportamentais, como tabagismo ou obesidade causada por má alimentação ou falta ou exercício. Com o pêndulo balançando de forma tão decisiva para a diabetes tipo 2 em número de diagnósticos, não é surpreendente ver tantas empresas farmacêuticas concentrando seus esforços no desenvolvimento de novos medicamentos para este tipo de diabetes.

Esse pêndulo, no entanto, pode estar pronto para balançar para trás na outra direção.

Em um dos estudos mais interessantes que eu testemunhei ao longo dos últimos anos, uma equipe de pesquisadores do Hospital Infantil de Boston divulgou as suas conclusões através de um post no blog  na semana passada, dizendo que tinha descoberto o caminho responsável por causar a diabetes tipo 1. Depois de testar centenas de diferentes vias em animais, pesquisadores identificaram o caminho ATP/P2X7R como o responsável por desencadear os ataques de células T no pâncreas para torná-lo incapaz de produzir insulina.

É tudo sobre o tratamento dos sintomas

Atualmente, a opção de tratamento primário associado com a diabetes tipo 1 é a insulina, bem como a manutenção de um estilo de vida saudável através de uma dieta adequada e exercício físico. A insulina vem em várias formas, desde o tipo de ação rápida como também insulinas mais duradouras chamadas basais.

A Humalog da Eli Lilly, por exemplo, é uma das insulinas mais amplamente utilizadas e que atuam rapidamente. Seu tempo de duração é de apenas três a cinco horas, mas costuma atingir o pico em eficácia em menos de 30 minutos. Ela também foi responsável por US $ 2,4 bilhões, ou 11% do total das vendas farmacêuticas da Eli Lilly do ano passado e funciona muito bem, se tomada durante ou mesmo antes da refeição.

Na outra extremidade do espectro está a Lantus da Sanofi, que é uma injeção aplicada uma vez por dia que pode funcionar no organismo por 20-24 horas, mas também pode ser combinada com uma insulina de ação rápida, se necessário. A Lantus tem sido uma droga para diabetes de sucesso absoluto até agora, ganhando as vendas mundiais de mais de US $ 6 bilhões em 2012.

Outros grandes beneficiários do diabetes tipo 1 são os fabricantes de dispositivos de monitoramento de glicose. Talvez o produto mais emocionante neste espaço seja o último modelo Contour da Bayer. A Bayer está fazendo uma parceria com a Medtronic, de tal forma que seu dispositivo vai se conectar à bomba de insulina da Medtronic sem a necessidade de fios, reduzindo drasticamente as muitas ocorrências de erro humano ou esquecimento de aplicação da insulina, e entregando a dose correta para os pacientes ao longo do dia.

Em breve, pode ser a cura da doença

Mas, a verdade da questão é que estes são os tratamentos para os sintomas associados com a diabetes tipo 1, não são curas. A pesquisa conduzida no Hospital de Crianças de Boston oferece a possibilidade de uma cura real se um medicamento puder ser desenvolvido para suprimir a disfunção auto-imune baseada nesta via específica. Na verdade, poderíamos estar aguardando para a metade de uma década ou pouco mais, antes que haja um experimento suficientemente grande com humanos, para avaliar se uma cura pode ser obtida, mas esta não deixa de ser uma notícia emocionante, no entanto.

Também faria muito sentido para uma empresa como a Eli Lilly ou Sanofi, liderar o caminho em termos de uma pesquisa da cura do diabetes tipo 1, uma vez que a Humalog da ​​Lilly está para perder a proteção de patente no próximo ano e as patentes da Sanofi expiram em 2014/2015. Estes dois gigantes farmacêuticos gostariam de substituir a receita que é quase certo de ser perdida por causa da concorrência dos genéricos. Baseando-se na pesquisa do Hospital Infantil de Boston poderia ser uma forma de conseguir isso.

Enquanto ainda estamos um pouco distante de uma cura, as pessoas com diabetes tipo1, certamente têm uma boa razão de ficarem mais esperançosos, pois os pesquisadores estão agora um passo mais perto.

 

O artigo Estaria a cura do diabetes tipo 1 logo ali na esquina? apareceu originalmente em Fool.com.

 

http://www.dailyfinance.com/


Similar Posts

Topo