Pericak supera o Diabetes

Pericak estabeleceu um recorde no Colorado e começou iniciando todos os 49 jogos durante sua carreira

Diagnosticado com diabetes aos 15 anos de idade, Will Pericak tem de monitorar constantemente seu corpo.

Ele está sempre aplicando injeções em si mesmo.

“Entrando em um vestiário com um monte de caras novas, ao me verem com uma seringa na mão aplicando insulina eles dizem:  “Oh meu Deus, ele está tomando esteroides!” disse Pericak dando uma boa risada.

Não, não são esteroides. É Pericak administrando a sua diabetes tipo 1.

O ex-defensor do Colorado foi diagnosticado com a doença quando tinha 15 anos de idade. Desde então, ele provou que o diabetes não tem que ser um obstáculo.

Pericak (pronuncia-se PRE-check) supostamente tem o maior bônus de assinatura ($ 13.500) que qualquer estudante em sala de aula este ano, um sinal de interesse do Baltimore. Apesar de seu diagnóstico, ele é um dos novatos que todos irão manter o olho neste verão.

“A diabetes não deve impedi-lo de seus sonhos”, disse Pericak. “Você pode fazer qualquer coisa. Olhe para mim, estou tendo a chance de jogar na NFL” (Liga Profissional de Futebol Norte-Americano).

Pericak teve alguma ajuda quando descobriu o seu diagnóstico e no começo do tratamento.

Seu irmão mais velho, Thomas, foi diagnosticado com a doença rara (apenas cinco por cento das pessoas com diabetes possuem o tipo 1), quando ele estava no primeiro grau.

Então, quando Will começou a perder alguns kilos, apesar de estar fazendo um treino de levantamento de peso rigoroso, bebendo um Gatorade a cada 10 minutos, e ainda teve a visão embaçada, seus pais o levaram para realizar exames. Com certeza, Will tinha diabetes.

A diabetes tipo 1 é uma doença genética em que a produção de insulina fica prejudicada, e é este hormônio que regula e distribui pelo corpo os açúcares e outros carboidratos.

Se o nível de açúcar no sangue fica muito elevado, o diabético pode se sentir cansado. Nesse caso, é necessária a aplicação da insulina. Se o nível de açúcar no sangue está muito baixo, um diabético pode ficar com a visão turva, agitação e confuso. Nesse caso, o diabético precisa consumir algo com açúcar ou alimentos ricos em carboidratos.

O fato do irmão mais velho, Thomas, já conviver com a doença, o que não o impediu de jogar basquete todos os quatro anos em Boulder, na High School, foi fundamental para Will.

“Eu o vi por toda a minha vida”, disse Will. “Não foi muito assustador para mim, porque vi como ele lidou com isso e conseguiu fazer tudo o que queria em sua vida. Era mais como, ‘Bem, uma porcaria, mas a vida continua.”

O essencial para lidar com a diabetes é a sua gestão. É tudo sobre ser consciente de como o corpo vai reagir a diferentes alimentos e níveis de exercício. Essas são as duas partes principais em se jogar futebol – comer e trabalhar.

Assim, Pericak deve estar constantemente consciente de sua condição.

Durante os jogos do Colorado, ele verifica de seis a sete vezes por jogo o nível de sua glicose. Ele não quer ficar confuso ou letárgico em campo, porque isso pode significar abrir mão de um grande jogo.

“Nunca impactou o meu jogo”, disse Pericak.

“Se eu estiver aborrecido ou assustado com alguma coisa, meus companheiros de equipe logo falam: “Será que você está com a glicose baixa?” Eu respondo, “Sim, eu posso estar” disse Pericak com uma risada. “É bom ter companheiros que conhecem e observam esse tipo de coisa”.

Pericak disse que ele verifica seus níveis de açúcar no sangue cerca de nove vezes por dia durante os treinos do Ravens. Ele aplica insulina ocasionalmente, ou simplesmente bebe um Gatorade se o nível estiver muito baixo.

“Isto sempre está dentro da minha cabeça, e sempre irei tomar algumas medidas adicionais no meu dia”, disse Pericak.

“Isso provavelmente me ajuda a permanecer saudável, porque sendo ativo, ao realizar mais exercícios, a sensibilidade à insulina fica melhor e, consequentemente, o controle da diabetes melhora também. Ele ajuda você a comer melhor, ser saudável. Provavelmente ajuda você a ser um melhor jogador de futebol. ”

O Ravens teve uma experiência com Pericak antes de convidá-lo para o time.

Eles gostaram de sua produção na faculdade. Ele estabeleceu um recorde no Colorado e começou iniciando todos os 49 jogos durante sua carreira. Ele realizou mais de 200 bloqueios durante esse tempo

O Ravens e seus médicos examinaram cuidadosamente Pericak e seu diabetes. Eles disseram que “o Baltimore não via isso como um grande problema, porque sabemos que ele faz um bom trabalho de monitoração da doença”.

O New England Patriots pode não ter tido o mesmo nível de conforto com outro jogador defensivo, Kyle Love, que foi dispensado em 15 de maio, com a justificativa de uma lesão não ocasionada pelo futebol após este ser diagnosticado com diabetes tipo 2.

Logo após este incidente, Love foi treinar no Jacksonville Jaguars, mas a sua dispensa do time anterior trouxe à tona a questão dos jogadores com diabetes.

“Espero que ele não tenha sido cortado por causa de seu diabetes”, disse Pericak, quem sabe do incidente. “É algo que é facilmente controlável. Em nada prejudica o seu jogo. ”

 

http://www.baltimoreravens.com/


Similar Posts

Topo