A “diabetes tipo 2” realmente existe?

“Diabetes tipo 2”, é o termo levou os pesquisadores médicos a um caminho errado, resultando em um tratamento de qualidade inferior para os pacientes com esta condição.

Este é o ponto de vista do Professor Edwin Gale, de Southmead Hospital, no Reino Unido, que acredita que a aplicação do termo “diabetes tipo 2” para um conjunto complexo e variado de sintomas associados com a doença, está errado.

Em um artigo publicado na revista online The Lancet, o Professor Gale disse: “Se você der um nome a alguma coisa, significa que essa coisa realmente existe. Na prática, quando alguém como eu, fala sobre diabetes tipo 2, o que estou dizendo “uma forma de diabetes para a qual não posso encontrar nenhuma causa. Em outras palavras, é um diagnóstico de exclusão … Existem várias condições, espectros, e gravidade de doenças, tudo embrulhado em uma única definição “.

A diabetes tipo 2 é diagnosticada quando o organismo de um paciente não consegue produzir insulina suficiente, ou quando a insulina que é produzida não funciona corretamente, o que leva a problemas de se manter um nível normal de glicose no sangue.

De acordo com a Diabetes UK, a diabetes tipo 2 é estimada a atingir cerca de 2,6 milhões de pessoas no Reino Unido.

No entanto, o professor Gale afirma que, porque os sintomas referidos pelo termo “diabetes tipo 2” tem várias causas e tratamentos muito diferentes, o termo é enganador tanto para pesquisadores quanto para pacientes.

A busca para um tratamento da diabetes tipo 2, como uma doença única, já desperdiçou o tempo de jovens pesquisadores, diz o professor Gale.

O Professor Gale diz também que uma solução provisória seria substituir “diabetes tipo 2”, pelo termo “hiperglicemia idiopática”, o que encorajaria os médicos a pararem de pensar sobre a condição não como uma doença em si, mas sim como um resultado de uma interação de muitos processos.

“Quando após um século de esforço científico nós chegamos à conclusão de que não podemos definir aquilo do que estamos falando, talvez seja hora de considerar ajustar nossos pensamentos. É ampla a aceitação de que a diabetes tipo 2 não é uma entidade uniforme, uma doença com uma causa definida, que possua um mecanismo e tratamento único. Então por que esse termo sempre é usado?”, pergunta o professor Gale.

 

http://www.thejournal.ie/


Similar Posts

Topo