Como derrotar seu diagnóstico de diabetes tipo 2

O diabetes é um problema de saúde crescente nos EUA, especialmente o do tipo 2. Mas Utahn David Steiner não estava muito preocupado com o seu diagnóstico.

“Eu queria não ter que fazer dieta”, disse Steiner. “Eu queria não ter que me exercitar, eu queria continuar vivendo a minha vida”.

Este estilo de vida custou a Steiner, um diabético tipo 2, sua boa saúde.

“Eu já estava ferindo o meu corpo, sentindo dormência nos meus pés, preocupado com a minha visão que começou a ficar estranha”, disse Steiner.

Depois de anos de empurrar o seu diagnóstico para o lado, os principais sintomas começaram a aparecer.

“Eu estava realmente ficando meio desesperado”, disse ele. “Eu percebi que ficava cansado com facilidade e que também estava tendo problemas para dormir, além de ter dificuldades para respirar”.

Steiner foi informado de que seu corpo estava resistindo a sua própria insulina, e isto aconteceria algum tempo antes que os efeitos negativos fizessem parte de sua vida diária. Mas ele começou a ter problemas muito mais cedo do que esperava.

“O médico me comunicou que em vinte anos eu começaria a ter alguns problemas graves”, disse Steiner. “Mas passaram-se apenas cinco anos, talvez quatro, antes que isso começasse a acontecer”.

Os médicos dizem que pessoas como Steiner têm um maior risco de diabetes, porque esta doença era comum em sua família. Mas a forma como se alimentava também desempenhou um papel importante.

“Eu sou um viciado em carboidratos, ou pelo menos, era”, disse Steiner.

Então ele teve que mudar das massas e pães e passou a fazer cinco pequenas refeições balanceadas por dia. E ele diz que em pouco mais de duas semanas, mudanças drásticas começaram a acontecer.

“Eu comecei a monitorar minha glicemia todos os dias, de manhã e à noite, e para minha descrença, ela foi normalizada”, disse ele.

A nutricionista Theresa Dvorak diz que diabéticos ainda precisam comer carboidratos.

“Precisamos exigir um consumo bastante consistente de carboidratos com o tipo de dieta dependendo se você é do tipo 1 ou tipo 2”, disse Dvorak.

Dr. Mary Murray de Intermountain Healthcare, diz que pode ser difícil mudar o estilo de vida.

“Eles têm que comer de forma diferente, eles têm que começar a se exercitar mais e estas são coisas difíceis de fazer se você nunca fez isso anteriormente”, disse Murray.

Steiner tem um conselho para aqueles que estão à beira do diabetes tipo 2: “Leve a doença bastante a sério e diga: ‘eu vou tomar o controle disso'”, disse ele.

E diabéticos nem sempre necessitam ter que injetar insulina. Recentemente cientistas de Harvard podem ter descoberto uma nova forma de tratar o diabetes tipo 2.

A descoberta é centrada em um hormônio chamado Beta-Trophin. Os pesquisadores dizem que, em ratos, o hormônio leva a um enorme impulso na “produção das células beta” pelo pâncreas, as células produtoras de insulina. Na verdade, até 30 vezes a taxa normal.

Mas muito mais trabalho precisa ser feito, incluindo o trabalho de laboratório envolvendo pacientes humanos. Se o hormônio provar ser eficaz, poderia um dia substituir injeções de insulina. Mas até então, quem tem diabetes deverá continuar com as injeções.

 

Nadine Wimmer atualmente co-âncora do KSL 5 News em 5, 6 e 10:00.  Ela também é uma repórter premiada por um Emmy que produziu a série de reportagens “Ficar seguro” para ajudar aos pais a proteger suas famílias de perigo, lesões e outros problemas evitáveis. 

 

http://www.ksl.com/



Similar Posts

Topo