Blog Diabetes – Parte 8 – Amar um não diabético

TiaBeth e seu marido se amam há anos. Foto de 2006 quando ele tinha cabelos pretos apenas.

Já faz algum tempo, nosso site postou um artigo “Amar uma diabética” que é bastante romântico. Muitas pessoas ficaram sensibilizadas com o texto. Eu confesso que fiquei sensibilizado com o marido da autora do texto, pois não é fácil estar casado com uma mulher com diabetes do tipo 1.

Na realidade todos sabemos que ninguém é perfeito, nem mesmo nós maridos o somos. Porém, poucas pessoas sabem que as variações de humor que afetam a pessoa com diabetes, também afeta o casal. E nas horas que um dos pares estiver estressado, não convém abusar de sua paciência, seja qual deles for.

Pensando em evitar as pequenas discussões que, se repetidas, prejudicam irremediavelmente qualquer relacionamento, elaborei com a ajuda de um amigo, 10 dicas do que não fazer para as mulheres diabéticas viverem em harmonia com seus maridos. Tentem segui-las ao máximo, ou melhor, não segui-las. 🙂

1 – Medir a glicose logo após a refeição

É um desperdício. A informação não servirá para nada, pois os níveis de glicose encontram-se em transição, não servindo para ver o efeito da insulina já tomada ou servir de base para um cálculo correto da dose a se tomar (bólus). Saúde não tem preço, eu sei, mas infelizmente aquela fita que é colocada no glicosímetro, sim. 🙁

2 – Dormir sem antes medir a glicose

Não medir é bem econômico, certamente. Mas esta não é a melhor hora para pensar em economizar. Fazer o marido levantar de madrugada para acabar com uma hipoglicemia não é lá muito saudável. Nada paga o sono dos justos.

3 – Comprar insulina ou suprimentos só depois destes acabarem

Quando isso acontece, o jeito é comprá-los na esquina de casa por um preço bem superior ao que encontraria se pedisse pela internet ou em outro local já conhecido. O pior de tudo é que aquela farmácia mais pertinho de casa nunca tem a Humalog.

4 – Viajar sem levar adoçante

Tenha sempre à mão um pequeno frasco de adoçante para quando for viajar, pois não existe isso em todos os lugares. Você pode se sentir excluída se o marido tomar um cafezinho com açúcar. Ai depois não vai brigar, né?!

5 – Tomar insulina em momentos de estresse

Se você estiver com raiva, não tome insulina. Certamente vai tomar uma dose além ou aquém. Tente primeiro relaxar,  mas se for mesmo aplicar, aplique menos.

6 – Sair de casa sem levar balas ou pastilhas de glicose

Você já recebeu um telefonema de algum desconhecido perguntando o que fazer com uma pessoa aparentemente desequilibrada que tinha seu número? Não??!! Então nem queira… nem queira…

7 – Tomar uma dose maior de insulina do que deveria e depois comer para compensar

Isto representa o fim de qualquer dieta, sem falar que ao comer nessas situações, geralmente se come mais do que deveria e depois tem que tomar insulina de novo. E por aí vai.

8 – Pegar a direção do automóvel sem antes medir a glicose

Se o marido tiver pressão alta, ou pressão baixa, ou hepatite, ou qualquer outra doença, é bom que ele não saiba disso.

9 – Dizer: esta insulina não está fazendo efeito, preciso comprar outra

Quando na verdade o nível de glicose está alto devido a uma deliciosa empadinha consumida e não contabilizada. De tão saborosa, comeu rápido demais e não lembrou que ela também aumenta o açúcar no sangue.

10 – Não levar comida ao fazer uma viagem longa de automóvel

As consequências podem ser desastrosas, haja visto a parte 5 do blog. Como se não bastasse a incontinência urinária que afeta as mulheres do mundo todo durante longas ou curtas viagens, não é bom dizer que terá uma hipoglicemia enquanto dirigimos em velocidade.

É claro que quase nada disso acontece comigo, mas sim com um amigo meu. Ele me passou estes conselhos e espero que apreciem.

2008 - TiaBeth em Curitiba com dona Marisa, candidata a vereadora
2008 – TiaBeth em Curitiba com dona Marisa, candidata a vereadora

marido-tiabeth

Ney Limonge é psicanalista, engenheiro elétrico e casado com Raquel Limonge, diabética do tipo 1 e protagonista das suas histórias. Escreve o blog Psicoanalisando quando lhe sobra tempo e também o  Blog da TiaBeth. Ele não tem diabetes.


Similar Posts

Topo