Diabetes e hiperplasia prostática

Os homens idosos apresentam uma alta incidência de Hiperplasia Prostática Benigna (HPB) que está associado aos Sintomas do Trato Urinário (STU) e também apresentam diabetes do tipo 2.
Colaboradores urologistas da Universidade de Michigan estudam se existe alguma correlação entre esses dados comparando uma população de homens pretos e brancos.

Os autores indagam se o uso de terapia médica (por exemplo, esquemas de insulina, hipoglicemiantes orais) relacionados com a mudanças na gravidade da vazão do jato urinário (STU), medido pelo urofluxometria, volume da próstata determinado pela ultra-sonografia transretal e níveis no sangue de Antígeno Prostático Específico (APE) tem alguma correlação.

Dos 2.226 homens que tinham sintomas urinários, 186 homens relataram um histórico de diabetes, 76,9% dos quais foram tratados com medicação. Constatou-se que os homens com diabetes têm chances significativamente maiores de STU moderada ou grave dependendo da idade e raça (branca ou preta tem 1,37 vezes mais sintomas) em comparação com homens sem diabetes.

No entanto, entre os homens diabéticos, aqueles que não tomam medicamentos têm chances maiores de STU moderada / grave do que aqueles que tomam medicação.
Esta associação entre os homens que tomam e não tomam a medicação foi constatado em 5 dos 7 sintomas das queixas de STU individuais.

O volume da próstata e o nível do antígeno prostático específico não foram significativamente associados com o tratamento do diabetes.

Não foram observadas diferenças significativas para a variação anual do tamanho da próstata pelo tipo de tratamento do diabetes. Também não houve nenhuma diferença na comparação entre os homens brancos e de cor.

Estes achados sugerem que a presença de diabetes e controle glicêmico subsequentes pobres poderiam ser menos relacionados com o crescimento da próstata e muito mais para os componentes dinâmicos da função do trato urinário inferior.

 

Fonte :: Urology. 2012 Jan;79(1):102-8


Similar Posts

Topo