Ana Carolina

foto_ana_carolina_cores_02

Ana Carolina Souza, popularmente conhecida como Ana Carolina (Juiz de Fora, 9 de setembro de 1974) é uma cantora, compositora, empresária, arranjadora, produtora e instrumentista brasileira de Pop, Pop Rock, Bossa Nova, Samba eMPB. Conquistou 4 vezes o Prêmio Multishow de Música Brasileira, 3 vezes o Troféu Imprensa e 1 vez o Prêmio TIM de Música. O primeiro disco foi lançado em 1999: nove álbuns e cinco Digital Versatile Disc, vendendo dois milhões de discos; consagrando-se como uma das cantoras que mais vendeu na década de 2000.

O primeiro álbum, Ana Carolina, lançou o single “Garganta”, marco na carreira. Com os sucessivos álbuns lançados, Ana Carolina conta com inúmeras canções de sucesso, dentre as quais: “Quem de Nós Dois”, “Encostar Na Tua”, “Uma Louca Tempestade”, “Rosas” e “Carvão”. Em 28 de novembro de 2005, a partir do projeto promovido pela casa de espetáculos “Tom Brasil“, Ana Carolina e Seu Jorge lançaram, juntos, um álbum, Ana & Jorge: Ao Vivo, desse, foram extraídas as canções “Pra Rua Me Levar” e, o grande sucesso, “É Isso Aí (The Blower’s Daughter)”.

Em 2009, a cantora completou 10 anos de carreira, lançando o álbum N9ve, no qual destaca-se a canção “Entreolhares (The Way You’re Looking at Me)“, num dueto com o cantor, compositor e pianista americano John Legend. A canção alcançou o topo da Billboard Hot Songs (Rio de Janeiro), e o 34° na Billboard Hot 100 Airplay. No mesmo ano, lançou a coletânea de canção, Ana Car9lina + Um, com duas canções inéditas e participação de vários cantores, entre eles, Maria Gadú, Maria Bethânia, Roberta Sá, Totonho Villeroy, entre outros. Nesse mesmo ano, a cantora inicia a turnê mundial do álbum e planeja a gravação de mais um DVD, que poderá ser gravado em Belo Horizonte, cidade onde iniciou a carreira.

Biografia

Ana Carolina nasceu no dia 9 de setembro de 1974 em Juiz de Fora (Minas Gerais). Logo aos dois meses de idade perdeu o pai, que morreu de trombose. Ana declarou que é fruto de uma traição ao dar uma entrevista se referindo a uma música sua que recebe o mesmo nome “Traição” no mais recente álbum, N9ve. Ana tem um irmão e uma irmã (Selma que é 14 anos mais velha). A avó cantava em rádio, o avô em igreja, os tios-avós eram músicos.

Cquote1.svg Dizem as más linguas, que ela teve um affair com o forrozeiro Luiz Gonzaga, quando ele era soldado em Juiz de Fora, ele era soldado raso – mas não me pergunte se foi antes ou depois de conhecer meu avô. Cquote2.svg

— contou Ana Carolina, em entrevista para Jô Soares, em 6 de Junho de 2008; e também àRevista Veja em 21 de dezembro de 2001.[4]

A mãe era proprietária de um salão de cabeleireiro e, Ana fazia do local seu palco, usava como microfone um rolo de cabelo e cantava versos de Caetano, entre outros. Morava no bairro Granbery, e estudou no Instituto Granbery da Igreja Metodistaa maior parte da vida.

Com apenas 16 anos descobriu ter diabetes, depois de emagrecer 6 quilos de uma hora para outra, ter enjoos e depois de ser internada descobriu a doença quando a glicemia chegou a 600. Aos 12 anos, começou a tocar violão, sozinha, apenas ouvindo, inspirada pelos também mineiro João Bosco.

A influência musical vem de berço – a avó cantava em rádio e os tios-avós tocavam percussão, piano, cello e violino. Ana Carolina cresceu ouvindo ícones da música brasileira, como Chico Buarque, João Bosco e Maria Bethânia; e da música internacional, como as cantoras Nina Simone, Björk eAlanis Morissette. Ainda na adolescência, iniciou a carreira de cantora apresentando-se em bares da cidade natal. Conhecida pelo registro vocal grave ou contralto, porém, pode alcançar notas relativamente agudas, portanto, tendo uma grande extensão vocal [carece de fontes]. Isso a ajudou muito na carreira, possibilitando-a interpretar uma ampla variedade de músicas e estilos[carece de fontes].

Carreira

Início

Começou profissionalmente aos 18 anos nos barzinhos da cidade com o repertório de Jobim, Chico, Ary Barroso e outros clássicos. Em entrevista, Ana diz que a experiência em bares foi, para ela, uma escola, além de cantar sucessos do rádio, cantava outras canções.

Foi quando Ana Carolina conhecera Luciana David e Keley Lopes, duas estudantes de Comunicação, que gostaram do que ouviram e se tornaram suas empresárias. Então, começaram a surgir convites de mais bares nas cidade vizinhas e, acompanhada sempre pelo amigo e percussionista Knorr, rodou alguns quilômetros da Zona da Mata mineira. Nesse tempo, Ana começou a compor, contudo essas não foram interpretadas tão cedo.

Ana fez um cursinho pré-vestibular no Colégio e Curso Meta ingressando na faculdade de Letras, na Universidade Federal de Juiz de Fora, onde cursou por pouco tempo.

Conforme o tempo foi passando, Ana ia se tornando mais conhecida, até o dia em que foi convidada para participar em apresentações maiores, como na abertura do concerto da Orquestra Internacional de Ray Conniff, em 1997.

Posteriormente, o italiano Máximo Pratesi convidou alguns artistas para se apresentarem em Roma. Além de Ana, convidou o grupo de mpb da cidade, o Lúdica Música. No Rio, onde assinariam o contrato, Pratesi descobre que Ana era diabética, desistindo de fechar o negócio. No Rio, Ana, muitas vezes, ficava hospedada na casa da amiga Cássia Eller.

Cquote1.svg Fiquei triste num primeiro momento, mas depois agradeci por não ter ido, pois o fato de eu ter ficado aqui me permitiu crescer e amadurecer na música, a ponto de gravar meu primeiro disco anos depois e ser sucesso no Brasil Cquote2.svg

— Ana Carolina

Depois de realizar várias apresentações em Belo Horizonte, um rapaz chegou ao camarim com a letra de uma música que compôs enquanto a assistia. Esse rapaz, era o compositor gaúcho, José Antônio Franco Villeroy que se tornaria um dos melhores amigos e parceiros de Ana, a música era “Garganta” – música que foi o primeiro sucesso da carreira da cantora. “Depois me lembrei que conhecia Totonho, eu tinha ido a um show dele no Rio, no Mistura Fina, e adorei, tanto que comprei os dois discos independentes dele.“, recorda.

Eu levo uma vida muita boa, muito normal, com os cuidados que tem que se ter com o diabetes. Eu me preocupo muito com o avanço da doença, principalmente porque mais de 34 milhões de brasileiros têm diabetes e não sabem”

Controle da doença

Para a cantora, que é um dos ícones da juventude brasileira, o importante é seguir um bom controle da doença para levar a vida com qualidade. “Nada melhor do que ter uma doença crônica para viver cem anos”, diz a irreverente Ana Carolina, que toma insulina diariamente e mantém uma dieta disciplinada. ?Bem-humorada, ela completa: “Quando algo não tem jeito, a melhor forma de reagir é levar com alto-astral, boa vontade e conhecimento.”

Ana Carolina recomenda medidas preventivas que devem ser incorporadas na rotina dos diabéticos, tais como: medir a glicose e fazer exame de 6 em 6 meses. “Não quero fazer um drama, não quero assustar, mas eu conheço uma pessoa que caiu de um barco e começou a se afogar. Foi salva, passou cinco dias, ela começou a sentir-se mal e neste susto, ela ficou diabetes tipo 2”.

 

Fonte: Wikipedia


Similar Posts

Topo