Diabetes tipo 1

Diabetes provoca níveis de glicose no sangue acima do normal. Pessoas com diabetes têm problemas de converter alimentos em energia. Depois do alimento ser ingerido, é decomposto em um açúcar chamado glicose. A glicose é então transportada pelo sangue até as células do corpo. O hormônio insulina, produzido no pâncreas, ajuda o corpo a transformar a glicose no sangue em energia. Pessoas com diabetes não produzem insulina ou a insulina não funciona adequadamente, ou ambos.

Diabetes mellitus tipo 2 ou diabetes tipo 2 (anteriormente denominada diabetes melitus não-insulino-dependente ou diabetes do adulto) é um distúrbio que se caracteriza pela glicemia elevada no contexto da resistência à insulina e deficiência relativa de insulina. Embora seja muitas vezes inicialmente controlada pelo exercício físico e modificação da dieta, os medicamentos são geralmente necessários à medida que a doença progride. Há uma estimativa de milhões de pessoas no Brasil com diabetes sendo que diagnosticados do tipo 2 seriam cerca 90% do total. Com taxas de prevalência dobrando entre 1990 e 2005, o Ministério da Saúde tem caracterizado o aumento de casos como uma epidemia.

Tradicionalmente considerada uma doença de adultos, o diabetes tipo 2 é cada vez mais diagnosticado em crianças em paralelo com o aumento das taxas de obesidade devido a alterações nos padrões alimentares, bem como nos estilos de vida durante a infância.

Ao contrário da diabetes tipo 1, há pouca tendência para cetoacidose na diabetes tipo 2, embora não seja desconhecido. Um efeito que pode ocorrer é a hiperglicemia (aumento do nível de açúcar no sangue) que também é bastante perigosa, embora deva ser tratada de outra forma. Alterações metabólicas complexas e multifatorial, muitas vezes podem levar a danos e deterioração da função de vários órgãos, principalmente do sistema cardiovascular. Isto leva a um aumento substancial da morbidade e mortalidade em ambos tipos 1 e 2 de pacientes, sendo que os dois tipos de diabetes têm origens e tratamentos bem diferentes apesar da semelhança das complicações.

 

Fisiopatologia da Diabetes tipo 2

Resistência à insulinaA resistência à insulina significa que as células do corpo não respondem adequadamente quando a insulina está presente. Ao contrário do diabetes mellitus tipo 1 , resistência à insulina é geralmente “pós-receptor”, o que significa que é um problema com as células que respondem à insulina, em vez de um problema com a produção de insulina.

Outros fatores importantes:

  • produção de glicose hepática aumentada (por exemplo, a partir de glicogênio -> conversão de glicose), especialmente em momentos inapropriados
  • diminuição do transporte de glicose a partir da insulina mediada em tecidos (principalmente) do músculo e tecido adiposo (defeitos de receptores e pós-receptor)
  • função prejudicada das células beta – perda de fase precoce da libertação de insulina em resposta a estímulos hiperglicêmicos

Este é um problema mais complexo do que o do diabetes tipo 1, mas por vezes é mais fácil de tratar, especialmente nos primeiros anos quando a insulina é muitas vezes ainda produzida internamente. Diabetes tipo 2 pode passar despercebida durante anos antes do diagnóstico, pois os sintomas são geralmente mais leves (por exemplo, não acontecem a cetoacidose, coma, etc) e pode ser esporádica. No entanto, complicações graves podem resultar de uma administração inadequada da diabetes tipo 2 , incluindo insuficiência renal , disfunção erétil , cegueira, lenta cicatrização de feridas (incluindo incisões cirúrgicas) e doença arterial, incluindo a doença arterial coronariana. O início do tipo 2 é mais comum na meia idade ou mais tarde na vida, embora ela esteja cada vez mais frequente em adolescentes e adultos jovens, devido a um aumento daobesidade aliada à inatividade.

diabetes tipo 2Diabetes mellitus tipo 2 é de etiologia (origem) desconhecida. Cerca de 90-95% de todos os casos de diabetes são do tipo 2, e cerca de 20% da população com idade superior a 65 tem diabetes mellitus tipo 2. A obesidade leva a um aumento da resistência à insulina que pode evoluir para a diabetes, muito provavelmente porque o tecido adiposo (especialmente à volta dos órgãos internos do abdômen) é uma fonte (recentemente identificada) de sinais químicos para vários outros tecidos (hormôniose citocinas). Outra pesquisa mostra que o diabetes tipo 2 provoca a obesidade, resultante das mudanças no metabolismo e do comportamento modificado da célula resistente à insulina. A genética desempenha um papel relativamente pequeno na ocorrência generalizada de diabetes do tipo 2. Isto pode ser logicamente deduzido a partir do enorme aumento na ocorrência deste tipo de diabetes correlacionado com a mudança significativa no estilo de vida ocidental.

Diabetes mellitus tipo 2 é muitas vezes associado com a obesidade, a hipertensão,colesterol elevado (combinado com hiperlipidemia ), e com a condição da muitas vezes denominada síndrome metabólica (que é também conhecida como Síndroma X, síndrome Reavan, entre outros). As causas secundárias da Diabetes mellitus tipo 2 são: acromegalia , síndrome de Cushing, hipertireoidismo, feocromocitoma,pancreatite crônica, câncer.

Drogas que podem induzir à hiperglicemia :

  • Antipsicóticos atípicos – alteram as características de ligação ao receptor, levando a um aumento da resistência à insulina.
  • Betabloqueadores – inibem a secreção de insulina.
  • Cálcio Bloqueador dos Canais – inibe a secreção de insulina, interferindo com a liberação de cálcio citosólico.
  • Corticosteróides – Causa periférica de resistência à insulina e gluconeogensis.
  • Fluoroquinolonas – inibe a secreção de insulina por bloqueio dos canais de potássio de ATP sensíveis.
  • Naicin – Eles causam resistência à insulina aumentada devido ao aumento da mobilização de ácidos graxos livres.
  • Fenotiazinas – inibem a secreção de insulina.
  • Inibidores de protease – inibem a conversão de pró-insulina à insulina.
  • Tiazídicos diuréticos – inibem a secreção de insulina devido à hipocalemia. Eles também causam resistência à insulina aumentada devido ao aumento da mobilização de ácidos graxos livres.

Outros fatores encontrados para aumentar o risco de diabetes tipo 2 incluem o envelhecimento, as dietas ricas em gordura e um estilo de vida menos ativo.

 

Sintomas da Diabetes tipo 2

Diabetes tipo 2

Muitas pessoas não têm sintomas ou sinais visíveis de diabetes. Os sintomas também podem ser tão leves que você pode não notá-los. Mais de 5 milhões de pessoas no Brasil têm diabetes tipo 2 e não sabem disso.

  • Os primeiros sintomas podem ser nada mais do que a fadiga crônica, fraqueza generalizada e mal-estar (sensação de mal-estar)
  • Produção excessiva de urina
  • Sede excessiva e aumento da ingestão de líquidos
  • Visão turva (tipicamente de alterações da forma de lente, devido a efeitos osmóticos, por exemplo, níveis elevados de glicose no sangue)
  • Perda de peso inexplicada
  • Letargia
  • Coceira da genitália externa

 

Prevenção

Diabetes tipo 2

O início da diabetes tipo 2 pode ser adiada muitas vezes através de uma nutrição adequada e exercício físico regular. O interesse na prevenção de diabetes tem surgidodevido à investigação sobre os benefícios de tratar pacientes antes da detecção de diabetes.

Em 2005, pesquisadores concluíram que “há evidências de que a dieta e o exercício combinado, bem como o tratamento medicamentoso (metformina , acarbose), podem ser eficaz na prevenção da diabetes tipo 2″.

diabetes tipo 2Leite também tem sido associado com a prevenção de diabetes. Um estudo questionário feito por Choi et ai. em 41.254 homens, incluindo um acompanhamento de 12 anos, mostrou esta associação. Neste estudo, verificou-se que dietas ricas em laticínios de baixa gordura podem reduzir o risco de diabetes tipo 2 em homens. Mesmo que estes benefícios sejam considerados ligados ao consumo de leite, o efeito da dieta é apenas um fator que afeta a saúde geral do corpo.

 

Tratamento da Diabetes Tipo 2

Diabetes tipo 2

Diabetes mellitus tipo 2 é uma doença crônica, progressiva que não tem cura estabelecida, mas tem tratamentos bem estabelecidos que podem atrasar ou impedir totalmente as conseqüências anteriormente inevitáveis ??desta condição. Muitas vezes, a doença é vista como progressiva se houver má administração do açúcar no sanguelevando a uma infinidade de complicações cada vez mais graves. No entanto, se o açúcar no sangue é mantido adequadamente, possivelmente a doença é eficazmente curada – significa que os pacientes reduzem substancialmente o risco para a neuropatia, cegueira, ou qualquer outra complicação decorrente do elevado nível de açucar no sangue.

Há dois objetivos principais do tratamento:

  • redução da morbi-mortalidade
  • preservação da qualidade de vida

diabetes tipo 2O primeiro objetivo pode ser alcançado através do controle glicêmico (isto é, para perto dos níveis ‘normais’ de glicose no sangue), a redução da severidade dos efeitos colaterais diabéticos tem sido muito bem demonstrada em diversos ensaios clínicos e é estabelecida para além da controvérsia. O segundo objetivo é frequentemente abordado (nos países desenvolvidos) pelo apoio e atenção de equipes de profissionais de saúde diabéticos (geralmente médico, enfermeiro, nutricionista ou um educador diabético autenticado). Endocrinologistas, médicos de família são as especialidades médicas com maior probabilidade de tratar as pessoas com diabetes. O conhecimento do paciente sobre sua participação é vital para o sucesso clínico,  assim como sua educação é um aspecto crucial deste esforço.

O tipo 2 é tratado inicialmente por ajustes na dieta e exercício, e pela perda de peso, sobretudo em pacientes obesos. A perda de peso, por vezes até modestas (2-5 kg) melhora o quadro clínico. Em muitos casos, tais esforços iniciais podem substancialmente restaurar a sensibilidade da insulina. Em alguns casos uma dieta rigorosa pode controlar os níveis glicêmicos sem uso de medicamentos.

Os objetivos do tratamento

Os objetivos do tratamento para pacientes diabéticos do tipo 2 estão relacionados com o controle efetivo da glicose no sangue, da pressão arterial e de lípidos para minimizar o risco de longo prazo ou consequências associadas à diabetes. Eles são sugeridos em diretrizes clínicas lançadas por várias agências nacionais e internacionais de diabetes.

As metas são:

  • Hb A1c de 6% para 7,0%
  • Glicose no sangue pré-prandial: 4,0-6,0 mmol / L (72 a 108 mg / dl)
  • 2-horas pós-prandial de glicose no sangue: 5,0 a 8,0 mmol / L (90 a 144 mg / dl)

 

Automonitoramento de glicose no sangue

diabetes tipo 2Auto-monitorização da glicose no sangue pode até não melhorar os resultados em alguns casos, para aqueles que estão se tratando entre os “razoavelmente bem controlados não-insulino-pacientes com diabetes tipo 2“. No entanto, é fortemente recomendado para pacientes nos quais ele pode ajudar a manter o controle glicêmico adequado, e bem vale seu custo (às vezes considerável). É a única fonte de informações atualizada sobre o estado glicêmico do corpo, uma vez que as mudanças são rápidas e frequentes, dependendo dos alimentos, exercícios e medicação (posologia e horário em relação à dieta e exercício) e, secundariamente, do stress do dia (mental e física), infecção, etc.

É indicado a auto-monitorização da glicemia para as pessoas com diagnóstico recente de diabetes tipo 2 devendo ser parte de um plano de educação estruturado e auto-gestão. No entanto, um estudo recente descobriu que uma estratégia de tratamento intensivo de redução dos níveis de açúcar no sangue (abaixo de 6%) em pacientes com fatores de risco para outras doenças cardiovasculares, representa mais danos do que benefícios, e assim parece haver limites para benefício do controle intensivo da glicemia em alguns pacientes.

Dieta Alimentar

Diabetes tipo 2

Modificar a dieta para limitar carboidratos ou amidos e, em consequência, os níveis de glicose no sangue, é sugerido para auxiliar os pacientes do tipo 2, especialmente no início do curso de progressão da doença. Além disso, a perda de peso é recomendada e é muitas vezes útil em pessoas que sofrem deste tipo de diabetes pelas razões discutidas anteriormente.

 

Fonte: News Medical