Diabetes tipo 1

Diabetes tipo 1 é uma doença auto-imune geralmente diagnosticada em crianças e adultos jovens, e era anteriormente conhecido como diabetes juvenil. No entanto, a maioria dos novos casos é vista em adultos. Na diabetes tipo 1, o organismo não produz insulina. A insulina é um hormônio necessário para converter açúcar, amidos e outros alimentos em energia necessária para a vida diária.

A falta de insulina causa um aumento da glicemia em jejum (cerca de 70-120 mg / dL em pessoas não diabéticas), que começa a aparecer na urina acima do limiar renal (cerca de 190-200 mg / dl na maioria das pessoas), ligando para o sintoma o qual a doença foi identificada na antiguidade, urina doce. Glicosúria ou glicose na urina faz com que os pacientes passem a urinar com maior freqüência e a beber mais do que o normal (polidipsia). Classicamente, estes foram os sintomas característicos que levaram a descoberta da diabetes.

Apenas 5% das pessoas com diabetes têm esta forma da doença. Com a ajuda da terapia com insulina e outros tratamentos, até mesmo crianças pequenas com diabetes tipo 1 podem aprender a controlar sua condição e viver longas e saudáveis vidas felizes.

 

Quais as causas da diabetes tipo 1?

Diabetes tipo 1

Ao contrário de algumas características, o diabetes não parece ser herdado em um padrão simples. Contudo, claramente algumas pessoas já nascem com mais propensão a adquirir diabetes do que outros.

Alguns fatores são importantes: herança de uma predisposição para a doença e algum acontecimento em seu ambiente para acionar esta predisposição. Fatores genéticos apenas não são suficientes. Uma prova disto são irmãos gêmeos idênticos. Gêmeos idênticos têm genes idênticos. No entanto, quando um gêmeo tem diabetes tipo 1, o outro tem quase 50% de chance de adquirir a doença. Quando um gêmeo tem diabetes tipo 2, o risco do outro adquirir ja é, no máximo, de 3 em 4.

Na maioria dos casos de diabetes tipo 1, as pessoas precisam herdar os fatores de risco de ambos os pais. Acreditamos que esses fatores devem ser mais comum em brancos porque estes têm a maior taxa de diabetes tipo 1. Pelo fato da maioria das pessoas que estão em risco não adquirirem diabetes, os pesquisadores querem descobrir quais são as causas ambientais que acionam este mal.

Um fator pode estar relacionado ao clima frio. O diabetes tipo 1 desenvolve com mais frequência no inverno que no verão e é mais comum em locais com climas frios. Outro fator pode ser um vírus. Talvez um vírus que tem apenas efeitos moderados na maioria das pessoas pode desencadear diabetes tipo 1 em outras.

Dieta precoce também pode desempenhar um papel. O diabetes tipo 1 é menos comum em pessoas que foram amamentadas e naquelas que se alimentaram de alimentos sólidos em idades posteriores.

Em muitas pessoas, o desenvolvimento de diabetes tipo 1 parece demorar muitos anos. Em experimentos que seguiram com parentes de pessoas com diabetes tipo 1, pesquisadores descobriram que a maioria daqueles que mais tarde adquiriu diabetes tiveram determinados anticorpos em seu sangue durante anos antes. (Anticorpos são proteínas que destroem bactérias ou vírus. Auto-anticorpos são anticorpos “que deram errado?, ou seja, que atacam os tecidos do próprio corpo.)

 

Prevenção

Complicações da diabetes tipo 1

Não há atualmente nenhuma medida clinicamente útil preventiva contra o desenvolvimento da diabetes tipo 1, embora a vacina tenha sido proposta e abordagens anti-anticorpos também estejam sendo testadas. A maioria das pessoas que desenvolvem o tipo 1 aparentam estar saudável e com um peso normal no início, embora alguns possam estar ligeiramente com sobrepeso ou levemente obesos no momento do diagnóstico deste tipo de diabetes. Infelizmente, porém, eles podem perder peso rápido e perigosamente, se não diagnosticado a tempo. Embora a causa ainda não esteja totalmente compreendida, danos no sistema imunológico são característicos do tipo 1 de diabetes.

 

Complicações

Complicações da diabetes tipo 1

Se não for tratada, a diabetes tipo 1 geralmente leva ao coma e muitas vezes àcetoacidose diabética, que é fatal se não cuidada. Monitores de glicose contínuos têm sido desenvolvidos e comercializados podem alertar aos pacientes da presença de altas ou baixos níveis de açúcar no sangue, mas custos elevados e limitações técnicas têm reduzido o impacto que estes dispositivos têm tido na prática clínica até agora.

  • Complicações oculares – Mantenha o seu risco de glaucoma, catarata e outros problemas oculares baixas com exames regulares
  • Complicações com o pé – Aprender sobre a neuropatia (que pode causar dormência nos pés), bem como outras complicações
  • Complicações com a pele – Fique alerta para os sintomas de infecções de pele e outras doenças da pele comuns em pessoas com diabetes.
  • Pressão arterial elevada – Alta pressão arterial também chamada de hipertensão, aumenta o risco de ataque cardíaco, derrame, problemas no olho e doença renal.
  • Saúde mental – Saiba lidar com as emoções naturais, como raiva, tristeza e negação antes de levar à depressão
  • Perda da audição – Diabetes e perda auditiva são duas das preocupações mais amplas de saúde do país.
  • Saúde Bucal – Pesquisas apontam que há um aumento da prevalência de doença periodontal entre aqueles com diabetes
  • Cetoacidose – Conheça os sinais de aviso de cetoacidose em exames de urina para verificar cetonas, especialmente quando você está doente.
  • Neuropatia – Dano do nervo do diabetes chamado neuropatia diabética pode levar a vários tipos de problemas.
  • Nefropatia – Mantenha seu diabetes e pressão arterial sob controle para diminuir a chance de doença renal.
  • Doença arterial periférica – Converse com seu médico se você tem dor nas pernas leves, caminhada preocupante, formigamento nas pernas, ou outros sintomas de DAP.
  • Estresse – Relaxe! Fazer mudanças de estilo de vida pode ajudar a reduzir o stress mental e gerir os seus níveis de glicose no sangue.

Diabetes aumenta o risco de muitos problemas graves de saúde. A boa notícia? Com o tratamento correto e recomendação de mudanças no estilo de vida, muitas pessoas com diabetes são capazes de prevenir ou retardar o aparecimento de complicações.

 

Tratamentos e Cuidados

diabetes tipo 2Tratamento do tipo 1 de diabetes deve ser continuado indefinidamente em praticamente todos os casos. O tratamento não precisa reduzir significativamente as atividades normais se o paciente realizar treinamento, tomar cuidados adequados, possuir disciplina nos testes e na dosagem de insulina. No entanto, o tratamento é árduo para os pacientes; insulina é substituída de um modo não-fisiológico, e esta abordagem é, portanto, longe de ser ideal. O nível de glicose médio para o paciente tipo 1 deve ser o mais próximo do normal (80-120 mg / dl, 4-6 mmol / L), porém deve ser controlado com maior segurança possível. Alguns médicos sugerem níveis de até 140-150 mg / dl (7-7,5 mmol / L) para aqueles que têm problemas com valores inferiores, tais como frequentes eventos hipoglicêmicos. Os valores acima de 400 mg / dL (20 mmol / L) são por vezes acompanhados por desconforto e micção frequente, o que leva à desidratação. Os valores acima de 600 mg / dL (30 mmol / L) geralmente requerem tratamento médico e pode conduzir a cetoacidose, embora eles não se encontrem imediatamente com risco de vida. No entanto, os níveis baixos de glicose no sangue, chamado hipoglicemia, pode conduzir a convulsões ou episódios de inconsciência e absolutamente deve ser tratado imediatamente, através de gel de emergência com alta concentração de glicose colocado na boca do paciente, a administração intravenosa de dextrose ou uma injeção de glucagon.

Diabetes é uma doença comum, mas cada indivíduo necessita de cuidados únicos. Encorajamos as pessoas com diabetes e suas famílias a aprender, tanto quanto possível, sobre os últimos tratamentos médicos e abordagens, assim como as escolhas de estilo de vida saudáveis. Boa comunicação com uma equipe de especialistas pode ajudá-lo a se sentir no controle e responder às novas necessidades.

 

Controle da Glicemia

Controle de Glicemia

Glicemia (açúcar no sangue) é uma medida essencial da sua saúde. Se você está lutando para gerenciar os seus níveis de glicose no sangue, aprenda como controla-lo. Com as mais recentes ferramentas e estratégias, você pode tomar medidas hoje para monitorar sua condição, evitar complicações graves, e se sentir melhor ao viver com diabetes.

 

Medicação

Prevenir Pré-Diabetes

Uma nova pesquisa está liberando o caminho para terapias melhores e melhor qualidade de vida para muitas pessoas com diabetes. A medicação pode ser uma parte importante de seu plano de tratamento. Como saber se e quando você irá precisar de insulina ou outros medicamentos? A resposta depende de que sintomas ou complicações estão ocorrendo, dos seus níveis de glicose no sangue e de outros fatores que você deve discutir com sua equipe médica.

 

Para a família

Diabetes é uma doença que afeta toda a família, especialmente quando uma criança é diagnosticada. Se você é um pai, irmão ou outro membro da família, seu apoio e compreensão pode fazer toda a diferença. Você deve se preocupar com cuidados médicos e seus custos, ou a forma de controlar o diabetes na escola. Navegue pelo site e obtenha informações e recursos para ajudar cada criança e cada família a se adaptar à vida com diabetes.

 

Fonte: ADA – Associação Americana de Diabetes