Pesquisas mostram que as recomendações dietéticas americanas precisam ser reformuladas

O órgão científico sênior dos Estados Unidos divulgou recentemente um novo relatório levantando sérias questões sobre o “rigor científico” das Diretrizes Dietéticas para os americanos. Este relatório confirma o que muitos no governo suspeitam há anos e é a razão pela qual o Congresso encomendou este relatório, em primeiro lugar: a política de nutrição do país não é baseada em ciência sólida.

Para “desenvolver diretrizes confiáveis”, afirma o relatório das Academias Nacionais de Ciência, Engenharia e Medicina (NASEM), “o processo precisa ser redesenhado”.

Entre outras coisas, o relatório conclui que o processo de diretrizes para revisar a evidência científica é insuficiente para atender às “melhores práticas para a realização de análises sistemáticas” e aconselha que “abordagens metodológicas e rigor científico para avaliar a evidência científica” precisam “ser fortalecidos “.

Em outras palavras, as Diretrizes Dietéticas para os americanos estão longe do “padrão-ouro” da ciência e dos conselhos nutricionais que precisam ser dados. Na verdade, elas podem estar fazendo pouco para melhorar a nossa saúde.

Um ponto crucial, de acordo com o relatório, é a necessidade de atualizar a Biblioteca de Evidências de Nutrição (NEL) do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que conduz as revisões da literatura científica. O NEL precisa de mais métodos “atualizados”, além de experiência técnica e revisão externa por pares de seu trabalho.

Uma revisão do processo NEL em 2015, publicado no The BMJ (British Medical Journal), por exemplo, descobriu que várias avaliações de evidências não foram conduzidas sistematicamente, permitindo a supressão de evidências ou a influência externa da indústria, e que cerca de 33% das questões científicas que requerem revisões sistemáticas não receberam uma revisão.

Outras recomendações do relatório das Academias Nacionais incluem melhorar a transparência do processo de diretrizes e a necessidade de as Diretrizes abordarem não apenas os americanos saudáveis, mas também aqueles – agora a maioria – que sofrem de doenças relacionadas à nutrição.

Por exemplo, as taxas de diabetes tipo 2 quadruplicaram e a obesidade quase dobrou desde 1980, o próprio ano em que as diretrizes foram lançadas.

Parece claro que a falta de ciência sólida levou a uma série de princípios dietéticos que não são apenas equivocados, mas até prejudiciais – como sugere uma vários estudos recentes.

Por exemplo, a recomendação de comer “grãos integrais saudáveis” não é apoiada por nenhuma ciência forte, de acordo com um estudo recente da Cochrane Collaboration, um grupo especializado em revisões de literatura científica. Olhando para todos os dados dos ensaios clínicos, que são os dados mais rigorosos disponíveis, o estudo concluiu que há “provas insuficientes” para mostrar que os grãos integrais reduziram a pressão arterial ou tinham algum benefício cardiovascular.

Outro estudo recente, chamado Epidemiologia Rural Urbana Prospectiva (PURE), acompanhou 135.335 pessoas em todo o mundo e descobriu que não houve efeito na mortalidade cardiovascular com maior consumo de gorduras saturadas. Esta mesma constatação tem ecoado na última década em treze outros artigos de revisão sobre gorduras saturadas, em todos os ensaios clínicos e todos os dados observacionais até agora.

Ainda mais preocupante, a PURE encontrou uma relação entre os baixos níveis de gordura saturada atualmente recomendados pelas Diretrizes Dietéticas e um risco aumentado de derrame.

O artigo, publicado em The Lancet, concluiu que “as diretrizes dietéticas globais devem ser reconsideradas à luz desses achados”. O líder do estudo, Yusuf Salim, presidente de medicina cardiovascular da Universidade McMaster e ex-presidente da Federação Mundial do Coração, acrescentou que “a gordura saturada com moderação realmente parece boa para você”.

A PURE, além disso, descobriu um menor risco de mortalidade cardiovascular ou total naqueles que consomem mais gordura, até 45% das calorias, conforme medido no estudo. A mortalidade foi significativamente maior entre aqueles que consomem apenas 32-34 por cento de gordura, já que as Diretrizes Dietéticas estão atualmente modeladas.

Esses dados PURE também são suportados por uma grande quantidade de evidências de teste mais rigorosos, incluindo dados de longo prazo, mostrando que dietas com maior gordura levam a mais perda de peso e melhores resultados para controle de glicose no sangue, um fator importante na diabetes tipo 2.

Em outro estudo de 2016, uma revisão científica envolvendo cerca de 70.000 pessoas descobriu que não há vínculo entre o que tradicionalmente considerou o colesterol “ruim” e as mortes prematuras de pessoas com mais de 60 anos de doença cardiovascular.

Publicado no jornal BMJ Open, o estudo descobriu que 92% das pessoas com alto nível de colesterol viviam mais tempo. Os pesquisadores afirmaram nesse estudo que o tratamento com estatina para a redução do colesterol com o objetivo de reduzir as doenças cardiovasculares é perda de tempo.

Um estudo de 2017 avaliou os resultados clínicos da substituição dietética de ácidos graxos saturados com fontes de gorduras não saturadas em adultos com sobrepeso e obesidade. O estudo envolveu 663 participantes incluídos na revisão, com períodos de intervenção de 4 a 28 semanas. Devido aos resultados nulos e ao pequeno número de estudos incluídos, não há evidências fortes de que a substituição de gordura saturada por não saturada possa beneficiar os perfis lipídicos nesta população.

Como as Diretrizes Dietéticas perderam a marca em tantas evidências importantes? O relatório das Academias Nacionais fornece não apenas uma explicação, mas também um roteiro no futuro para como colocar as diretrizes em uma base científica firme.

É imperativo que o conselho defendido pela política nacional de nutrição dos Estados Unidos seja incontestável. Com o processo para as orientações de 2020 devendo começar em breve, agora é a hora de o Congresso tomar medidas para reformar o processo de desenvolvimento das Diretrizes Dietéticas, de modo que as propostas funcionem de acordo com o que se pretende – como uma ferramenta para restaurar e proteger a saúde da nação.

 

Fonte: Artigo do político americano, Andy Harris, com acréscimo de informações da Health Evidente e do TheTelegraph, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

 

http://www.beefpoint.com.br/


Similar Posts

Topo