Blog – Parte 23 – A surpresa de TiaBeth

Que felicidade!!! Em setembro de 2015 Tiabeth ganhou uma lanceta que reduziu suas dores ao medir a glicose.
Que felicidade!!! Em setembro de 2015 Tiabeth ganhou uma lanceta que reduziu suas dores ao medir a glicose.

A rotina de TiaBeth, que tem diabetes tipo 1 há mais de 30 anos, parece não ter fim: acorda, pica o dedo, mede a glicose, se alimenta, toma insulina, mede a glicose, toma insulina, pica o dedo, corrige a glicose, e por aí vai. Isto até a hora de dormir.

Casado com ela desde 2000, esta rotina parece fazer mais parte da minha vida, que não tenho diabetes, do que da dela. Essas atividades são quase feitas de forma automática, não lhe tomam tempo e, aparentemente, não causam dores. Por este motivo, surpreendi-me com algo que me falou ontem.

Antes da “rotineira” saída de sexta feira pela noite, informei-lhe sobre um novo sistema de monitoramento de glicose não invasivo (SugarBEAT), na forma de um adesivo, que até já foi aprovado para comercialização na Europa. Ela então perguntou-me:

– Qual a espessura? 😕

Surpreso com sua curiosidade, respondi-lhe: – um milímetro. Ela então falou:

– É grosso. 😐

TiaBeth entende bem de medidas, afinal, além de psicóloga, ela é desenhista industrial e trabalhou em indústrias por muitos anos, por isso sabia o que falava. Porém a convenci de que este adesivo não seria mais grosso ou incômodo do que aqueles adesivos de nicotina para fumantes, o que rapidamente concordou comigo.

– Mas tomara que chegue logo ao Brasil. Até hoje estou aguardando aquela insulina inalada. 🙁

-Ué, não sabia que você toparia tomar esta insulina inalada. Acho que é necessário fazer um pequeno exame das funções respiratórias antes de tomá-la, daí estar demorando a “pegar”. 😕

– Qual o problema? Faria o exame na hora, nem que tivesse de ir à China. Ou você acha que eu gosto de ficar me furando por todo o corpo para aplicar insulina?! 😮

Achei que ela devia pensar o mesmo das picadas no dedo enquanto media a glicose, sendo que, entre muitas, aquela foi minha maior surpresa do dia. Mesmo estando casado por 16 anos com TiaBeth, nunca a vi reclamando de sua rotina dolorosa a qual se submete desde 1983, quando foi diagnosticada com a diabetes do tipo 1. Na ocasião tinha 19 anos e uma vasta experiência de vida sem diabetes.

O diálogo acima ocorreu no banheiro de casa enquanto ela se maquiava para a outra, agora prazerosa, rotina de sexta feira à noite. Meu conceito sobre seu diabetes mudou naquele momento e agora torço para que as novas tecnologias e formas menos doloridas de tratamento desembarquem nesta terra o mais rápido possível. Pelo jeito já sabemos quem vai ser a primeira da fila.

Quem vê TiaBeth sempre sorrindo não imagina que ela sente dores
Quem vê TiaBeth sorrindo não imagina que ela também sente dores. Foto tirada no dia de ontem (03/06/2015)  durante sua rotina noturna de sexta feira.

 

marido-tiabethNey Limonge é psicanalista, engenheiro elétrico e casado com Raquel Limonge, diabética do tipo 1 e protagonista das suas histórias. Escreve o blog Psicoanalisando quando lhe sobra tempo e também o Blog da TiaBeth. Ele não tem diabetes.;


Similar Posts

Topo